Polícia que investigava furto de comida oferece jantar de Natal a família carenciada

Duas mulheres foram apanhadas a roubar comida num supermercado nos Estados Unidos. Ao aperceber-se das dificuldades da família, agente Matt Lima ofereceu do próprio bolso 250 dólares para as compras.

Foto
Agente Matt Lima ofereceu compras a família carenciada Somerset Police

No dia 20 de Dezembro, o rádio do agente Matt Lima tocou. A chamada era rotineira: a polícia tinha recebido uma queixa de um furto num supermercado. Duas mulheres eram suspeitas de roubarem produtos na cidade de Somerset, no estado do Massachusetts, nos Estados Unidos.

Quando passavam pela caixa, os funcionários repararam que nem todos os produtos eram registados, chamando as autoridades para averiguarem o caso. Quando foram questionadas pelo polícia admitiram o crime, justificando o roubo com as dificuldades económicas que a família atravessava. A comida roubada serviria para dar às crianças, que as acompanhavam naquele dia, para um jantar de Natal digno.

Apesar de impedir as mulheres de regressarem ao supermercado, o agente Matt Lima decidiu não tomar medidas mais severas por constatar que todos os itens que não tinham sido registados eram bens alimentares. Depois, num gesto de solidariedade, ofereceu do próprio bolso dois vales de oferta no valor de 250 dólares (204 euros), para que as mulheres pudessem comprar os produtos necessários para o jantar de Natal numa outra loja da mesma cadeia de supermercados.

“As duas crianças com as mulheres lembravam-me dos meus filhos, portanto tinha de as ajudar”, afirmou o polícia, muito elogiado pela acção solidária. “Este acontecimento é uma verdadeira prova do grande carácter e poder de tomada de decisão do agente Lima”, enalteceu o chefe da esquadra de Somerset, Gorge McNeil, numa declaração publicada no site da força policial.

“As mulheres ficaram muito agradecidas, um pouco em choque. Tenho a certeza que muitas pessoas naquele contexto estariam a pensar que a situação tivesse um desfecho diferente, e que talvez fossem detidas ou tivessem de ir a tribunal”, resumiu Matt Lima, em declarações a um canal de televisão local. Não foi o que aconteceu.