Covid-19: Banco Mundial prevê que economia global cresça 4% este ano

Instituição alerta para as “implicações importantes” da inflação e taxas de juro baixas, nomeadamente no que diz respeito à política monetária e orçamental.

Foto
China deverá crescer 7,9% em 2021 LUSA/HOW HWEE YOUNG

O Banco Mundial (BM) reviu esta terça-feira em baixa a projecção do crescimento da economia global para 4% em 2021, esperando ainda uma contracção de 4,3% em 2020, segundo as perspectivas económicas globais hoje divulgadas.

“Depois de um colapso no ano passado causado pela pandemia de covid-19, a produção económica mundial deverá expandir-se 4% em 2021, mas permanecer 5% abaixo das projecções pré-pandemia”, pode ler-se no relatório hoje publicado pelo BM.

Face aos números anteriormente projectados, em Junho, a instituição liderada por David Malpass reviu em baixa, em 0,2 pontos percentuais (p.p.), a estimativa para o crescimento de 2021, mas reviu em alta a estimativa de 2020 em 0,9 p.p., perspectivando um crescimento de 3,8% para 2022.

Segundo o Banco Mundial, o crescimento projectado para 2022 é condicionado “pelos danos duradouros para o crescimento potencial” causados pela pandemia de covid-19.

Num cenário adverso estimado pelo BM, o crescimento global fica limitado a 1,6% em 2021 e 2,5% em 2022, e num severamente adverso estima-se uma nova recessão em 2021 e um crescimento de 2% em 2022, ao passo que num cenário mais optimista o crescimento sobe para quase 5% em 2021.

“A recuperação global, que foi atenuada no curto prazo devido a um ressurgimento de casos de covid-19, deverá fortalecer-se no horizonte de projecção, à medida que a confiança, o consumo e o comércio melhoram gradualmente, apoiados pela vacinação gradual”, pode ler-se no relatório hoje divulgado pela instituição sediada em Washington.

Nas perspectivas para 2021, o Banco Mundial identifica ainda alguns riscos à sua projecção, como por exemplo “a possibilidade de um aumento maior dos casos do vírus, atrasos na aquisição e distribuição de vacinas, efeitos mais severos e duradouros no produto potencial devido à pandemia, e stress financeiro accionado pelas dívidas altas e fraco crescimento”.

O Banco Mundial considera que, “para enfrentar o legado adverso da pandemia, será crítico fomentar a resiliência ao salvaguardar a saúde e a educação, priorizar investimentos nas tecnologias digitais e infra-estrutura ‘verde’ [ecológica], melhorar a governança e fomentar a transparência da dívida”.

Relativamente às economias avançadas, a instituição liderada por David Malpass prevê um crescimento económico de 3,5% nos Estados Unidos, 3,6% na União Europeia e 2,5% no Japão, depois de recessões de 3,6%, 7,4% e 5,3% em 2020, respectivamente.

Já a China deverá crescer 7,9% em 2021, depois de um crescimento estimado de 2%, “o menor ritmo desde 1976, mas acima de projecções anteriores, ajudadas pelo controlo efectivo da pandemia e estímulos liderados pelo investimento público”.

“A covid-19 causou uma recessão global cuja profundidade foi ultrapassada apenas pelas duas guerras mundiais e pela Grande Depressão no último século e meio”, caracteriza o Banco Mundial.

Segundo a instituição, “depois da recuperação inicial a meio de 2020, a recuperação da economia mundial abrandou. Ao passo que a actividade e comércio no sector dos bens melhorou, o sector dos serviços continua anémico, com o turismo internacional, em particular, ainda deprimido”.

O Banco Mundial alerta ainda para as “implicações importantes” da inflação e taxas de juro baixas, nomeadamente no que diz respeito à política monetária e orçamental.

“Nas economias avançadas, onde o espaço para apoio adicional de política monetária é limitado, os modelos de banco central estão a ser reavaliados, ao passo que a política orçamental está a ter um papel mais proeminente na estabilização macroeconómica”, considera o Banco Mundial.

No longo prazo, o banco sediado em Washington crê que a pandemia veio “assinalar a necessidade urgente de reformas nas economias avançadas que aproveitem os benefícios da realocação sectorial e reforcem a adopção da automação e tecnologias digitais, juntamente com o fortalecimento de redes de apoio social para facilitar este processo”.