Henrique Barros: “O confinamento resolve o problema” mas “cria toda uma série de outros problemas”

Henrique Barros não tem dúvidas: “Se nós confinarmos, a infecção decresce, ponto.” Mas é uma decisão que criará outros problemas. Diz ainda que este vírus “provavelmente veio para ficar”. Mas, “se tudo correr normalmente no sentido de as vacinas serem verdadeiramente eficazes e de não haver nenhum percalço, em 2022, 2023 a vida passará a ser muito próxima do que era antes”.

Foto
Manuel Roberto

Henrique Barros é especialista em saúde pública e epidemiologista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. É também professor da Faculdade de Medicina e presidente do Conselho Nacional de Saúde, um órgão consultivo do Governo. Estará na próxima reunião que juntará políticos e especialistas do Infarmed. Teme que o número de casos ainda possa aumentar. “Se ficarmos pelos 10 mil já é extraordinariamente bom”. 

Quarta e quinta-feira foram os dias com mais novos casos desde o início da pandemia. O que pode explicar este aumento?
Houve uma fase inicial da infecção, depois houve uma diminuição muito marcada do número de casos e, depois, um reaparecimento. Estávamos numa fase de alguma diminuição e, agora, parece haver uma espécie de um chicote que volta a subir, podendo ser uma subida relativamente limitada no tempo. Este ricochete pode ser limitado no tempo, corresponder a circunstâncias muito particulares ou pode ser uma melhor adaptação do agente infeccioso às populações, particularmente a este contexto especial que é um período prolongado com um tempo muito frio.

Pode haver diferentes razões a explicar os números elevados?
Seguramente há imensas razões. O que aconteceu neste período do final do ano foi um aumento generalizado. Era indiscutível: havendo um número grande de contactos entre agregados familiares e contactos mais prolongados, porque uma refeição de Natal demora mais tempo… As pessoas têm direito a fazer as escolhas delas, quiseram estar umas com as outras. Mas, mesmo que o aumento do risco fosse pequeno, como houve muitos encontros destes, naturalmente que ia haver maior possibilidade de ocorrência de infecções. O que estamos a ver desse ponto de vista é absolutamente esperado. Não é aceitável nem moralmente, nem eticamente, não é decente dizermos que isto é culpa das pessoas. As pessoas têm de viver. O que é mais dramático e inaceitável é criarmos esta ideia de que isto foi culpa das pessoas que não ficaram sozinhas em casa. E foram visitar o pai, o velho tio ou um irmão doente ou um amigo. Fizeram-no, porque são seres humanos e tenho a certeza de que a imensa maioria teve a preocupação de se defender a si e aos outros. É evidente que, depois, há uma espécie de caricaturas, umas imagens de gente muito jovem que se considera imortal, mas não é isso que é responsável pela infecção. Milhares e milhares de encontros, onde, embora o risco fosse pequeno, nalguns casos ocorreu. E se ficarmos pelos 10 mil já é extraordinariamente bom.

Teme que este número ainda possa aumentar?
Ainda pode aumentar alguma coisa, porque entre o Ano Novo e este momento só passaram seis dias e naturalmente que, neste período, as pessoas não tinham a mesma predisposição para se queixarem, não encontravam a mesma resposta por parte do sistema de saúde, por exemplo. E também é natural e humano que as pessoas tenham desvalorizado alguns sintomas e preocupações. É possível que ainda haja um aumento de casos. O que é verdade é que era previsível este aumento, mas há mais factores que o podem explicar. Um deles é independente da vontade das pessoas, este tipo de infecções aumentam muitíssimo quando as temperaturas baixam. Estas condições meteorológicas são mais propícias à transmissão do vírus, estamos mais fragilizados, e porque existe frio as pessoas tendem a estar mais recolhidas e manterem-se mais em espaços fechados. Não vale a pena ir buscar para este aumento o papel da variante. A nova variante deve preocupar-nos pelo seguinte: há uma maior transmissibilidade e contágio. Mesmo que não aumente muito a gravidade da infecção, e parece não aumentar, vamos ter mais infectados. Vai haver muito mais mortes e internamentos. Mas não há maior contagiosidade num grupo etário do que noutro. Não há aumento de risco relacionado com a idade.

Esta nova variante é mais contagiosa de uma forma geral mas não especialmente problemática entre crianças?
Exactamente. Mas se aumentarmos o número de casos, mesmo não sendo mais grave, vai haver mais gente a poder ter problemas. Em que medida é que esta variante poderá ou não escapar à vacinação? Esta e outras variantes? Os produtores testaram já a capacidade neutralizante da vacina para muitas das mutações, mas pode haver o mutante que escapa. Temos de estar especialmente atentos a isso.

Estamos perante uma terceira vaga?
Não, ainda estamos na segunda. Haverá uma terceira? É bem provável, porque ainda vai demorar muito tempo, uns meses, até os efeitos protectores da vacinação se fazerem sentir. Alguns países como é o caso do Japão já estão na terceira vaga.

Perdeu-se o controlo a pandemia?
Não há nada que permita dizer que a pandemia não está sob controlo. A resposta dos serviços de saúde tem sido excelente.

hospitais que estão a acusar pressão, a suspender a actividade programada não-urgente…
O SNS está pressionado, ponto. Seria completamente insensato imaginar que, perante uma pandemia, um serviço de saúde não estaria pressionado e a não ter de fazer escolhas. Isso é evidente. O fundamental em tudo isto é ter uma resposta planeada. Não faz sentido em Janeiro, dia 7, pessoas que não sabiam que ia haver um aumento de casos por causa do Natal. É óbvio que ia haver um aumento de casos, portanto as coisas deviam estar preparadas para acomodar esse aumento.

É uma crítica a algo que não foi feito?
Não, estou a dizer que se não foi feito, devia ter sido feito. Não é aceitável invocar o inesperado. Mais, mesmo em Março, a pandemia não era inesperada. Já tinha saído da China há algum tempo e já estava há algumas semanas em França, em Itália e até em Espanha. Em Portugal temos tido uma vantagem, de a própria pandemia nos ter dado algum tempo para nos prepararmos. Isto não é uma crítica, não tenho neste momento razões para a fazer. É a constatação de um facto. Temos tempo e necessidade de planear a nossa capacidade de resposta.

E temo-lo feito?
Eu sou epidemiologista, e estou a falar nessa qualidade. Uma das obrigações da epidemiologia é avaliar o efeito dos serviços de saúde na ocorrência dos problemas relacionados com uma doença ou com um conjunto de doenças. Medindo pela mortalidade, pela quantidade de pessoas, pelo número de dias de internamento, pela resposta do sistema de saúde português, funcionou bem até agora. Mas também tem coisas que se podem criticar. A nossa resposta de organização de identificação de casos está longe de ser ideal. E por uma razão: durante anos não se investiu nessa área e, felizmente, pelo menos investiu-se na área curativa. Por isso é que há o número de meios que existe, e as instalações. É um pouco como tomar a vacina. Não foi um milagre da ciência feito em 15 dias. É o resultado de 15 anos em investigação, esta em particular.

Diz que este aumento de casos era previsível tendo em conta o Natal. Podia ter sido evitado? Percebo que não é favorável a que o Governo tivesse imposto medidas mais restritivas.
Percebeu perfeitamente. As pessoas têm de ter responsabilidade. Há uma dimensão de liberdade de decisão que temos de respeitar. É curioso verificar que, nos países onde se definiram regras muito precisas de como e quantas pessoas se podiam encontrar, o ricochete foi exactamente como nos portugueses ou, em alguns casos, pior ainda. Do ponto de vista das medidas, não havia mais nada a fazer. Quais seriam as medidas? Era impedir as pessoas de estarem umas com as outras. Não me parece bem. Não havia nem haverá muito mais a fazer, e agora até poderemos ter uma melhor noção disso, vendo a diferença entre os casos que terão ocorrido associados ao Natal e os ao Ano Novo. E o Ano Novo teve muito mais restrições.

Tendo em conta tudo isso, o que defende que se deve fazer para controlar a pandemia neste momento?
A única coisa que temos é aquilo que tivemos desde o princípio: medidas de protecção individual; a lavagem das mãos está muito esquecida. A lavagem das mãos evita mortes como poucas atitudes de cuidados de saúde. É fundamental que façamos testes. As pessoas não podem ficar na dúvida se estão ou não infectadas. Testamos ainda muito pouco.

É mais favorável ao uso de máscara e a lavar as mãos do que a confinamentos, recolher obrigatório, número de pessoas em loja…
O número de pessoas em loja é uma boa medida. É aborrecido, mas é uma boa medida para um dos aspectos fundamentais que é manter a distância física.

O Conselho de Ministros decidiu esta quinta-feira estender aos concelhos em risco elevado a proibição de circulação na via pública a partir das 13h no fim-de-semana de 9 e 10 de Janeiro e aplicar a todo o território continental a proibição de circulação entre concelhos entre as 23h de 8 de Janeiro e as 5h de 11 de Janeiro. O primeiro-ministro reconheceu: “as medidas que temos adoptado não são suficientes”. Admitiu um agravamento das restrições na próxima semana e até um confinamento idêntico ao da Primavera, mas com as escolas abertas. Considera que as medidas anunciadas são suficientes? O país deve preparar-se para esse novo confinamento?
As medidas são aquelas que os eleitos portugueses legitimamente tomam em nome da comunidade e tomam-nas por entenderem que são as melhores medidas. Não faz sentido nenhum andarmos a discutir, é uma coisa que não me interessa, se é melhor fechar às 13h, às 14h ou às 12h. É uma decisão de ponderação que não tem a ver com saúde, tem a ver com ponderação de natureza sociológica, económica, administrativa, segurança. Há um conjunto de circunstâncias que levam a essas medidas, para os quais o conhecimento da saúde é apenas um e, se calhar, relativamente pouco relevante contributo. As medidas vão sendo cada vez mais restritivas, porque se não houver mais nada a fazer a única coisa que podemos fazer é ficar cada um no seu canto. As medidas que são tomadas são aquelas que o Governo entende tomar e estão certas seguramente, o ponto não vai por aí. O ponto por onde vai é naquilo que podemos entender, se tivermos uma capacidade maior de identificar pessoas infectadas e de as isolar, aí estamos a quebrar as cadeias de contágio, tudo aquilo que façamos que não interfira na vida da generalidade das pessoas e tenda a ser mais dirigido em relação a pessoas em particular, ou grupos ou pequenas comunidades, onde a infecção possa estar mais presente, são medidas inteligentes e que funcionam.

Mas não o surpreenderia que o país entrasse num novo confinamento, mesmo com escolas abertas?
Não me surpreende, porque isso também tem a ver com um sentimento que é um sentimento comunitário, que tem a ver com o medo que a comunidade tem. Não me surpreende que as pessoas comecem a ter medo da infecção e tendam a meter-se na sua concha como também não surpreende, olhando para a história da resposta social às pandemias, que fiquem de tal maneira cansadas e revoltadas que não façam sequer aquilo que é lógico e inteligente fazer. Não faz sentido andar a discutir medidas avulsas, se é às duas horas, se fecha o restaurante A…

Mas o confinamento geral, mesmo que seja com escolas abertas, não é uma medida avulsa… Concorda com ela?
Se nós confinarmos, a infecção decresce, ponto. Ninguém pode discordar dessa afirmação. Se toda a gente for para casa, cada um para o seu quarto, a infecção diminui? Inequivocamente.

Mas…
Mas, depois, vem a decisão social e essa decisão social não me pergunte a mim. Não tenho nada que dar opiniões. Eu sou um cientista, epidemiologista e médico. Se a pergunta for ‘se nós confinarmos a infecção diminui?’ Sim. E deve-se fazer? Não me pergunte a mim. Como técnico, tenho de dizer aquilo que, no estado actual do conhecimento, se sabe que funciona. Mas há uma parte de ciência e uma parte de arte na tomada de decisões em termos de saúde pública. Do ponto de vista da saúde pública, o confinamento resolve o problema, naquele momento diminui a infecção, mas cria toda uma série de outros problemas, nomeadamente de natureza social. Se confinarmos todos, a sociedade pára. O balanço destas coisas é que tem de ser feito. Portugal verdadeiramente nunca confinou. Houve pessoas que, pela natureza da sua profissão, dos seus recursos, tinham possibilidade de não contactar com outras. Mas houve gente que teve de correr o risco para outros todos poderem confinar. E é este contraste social que temos de fazer em relação à infecção. E da mesma maneira que pedimos a pessoas que continuem a trabalhar, que continuem a expor-se ao risco para podermos ter uma vida normal, também temos de compreender que as pessoas queiram tomar a atitude de ir visitar um familiar, que não é trabalho.

O índice de transmissibilidade está acima de 1,2 em todo o território. Confirma esse índice? Qual é a leitura?
Os valores são esses, provavelmente até um pouco maiores. Depende da técnica com que é calculado, há várias maneiras de calcular. O que é importante é a margem [1,27 a 1,57 nas ultimas previsões]. Uma coisa mais interessante: até dia 27 de Dezembro o número de casos no país estava a duplicar a cada 114 dias. Eram precisos praticamente quatro meses para duplicar os casos. Do dia 27 de Dezembro, os casos duplicaram em nove dias. Ao fim de nove dias duplicaram. No Norte era um pouco mais baixo, demorava mais tempo, praticamente 12 dias. Em Lisboa e Vale do Tejo, por exemplo, foi ao fim de oito dias. Quer dizer que os contágios se estão a dar a uma rapidez muito mais alta.

É preocupante?
Não uso a palavra preocupante. Diz-nos que o número de contágios está a aumentar. Desde que o número não esteja francamente abaixo de um, significa que a infecção está a aumentar. E que temos de accionar mecanismos que tendam à diminuição da infecção. É muito simples. O confinamento é uma das respostas. E tem muitas dimensões, desde obrigar as pessoas a estarem totalmente fechadas até lhes limitar em vários graus a mobilidade, porque o confinamento mexe sobretudo com a mobilidade. Mas não nos esqueçamos de coisas que sabemos. Por exemplo, em Leicester, em Inglaterra, com o confinamento aumentaram brutalmente os casos, e em quem? Nas famílias que viviam em espaços muito apertados. Ao metê-las todas em casa o tempo todo ainda resultou em mais infecções naquelas pessoas. Temos de adaptar as medidas à evolução da infecção, preferencialmente antecipando-as, e não respondendo quando as coisas já aconteceram.

Tem alguma expectativa sobre quando tudo vai acabar?
Esta infecção, olhando para aquilo que está a acontecer, provavelmente veio para ficar. Passamos a viver com ela da mesma maneira como os nossos antepassados, há um século, passaram a viver com a gripe. Vai demorar alguns anos, mas isto, se tudo correr normalmente no sentido de as vacinas serem verdadeiramente eficazes e de não haver nenhum percalço, em 2022, 2023 a vida passará a ser muito próxima do que era antes da existência do vírus.