Presidenciais em emergência: o maior adversário de Marcelo é a abstenção

Com a reeleição praticamente garantida à primeira volta, Marcelo Rebelo de Sousa luta sobretudo contra a abstenção em tempos de pandemia. Os adversários jogam noutros tabuleiros.

Foto
Marcelo só assumiu a recandidatura a 15 de Dezembro Nuno Ferreira Santos

Há dois números que são os maiores adversários de Marcelo Rebelo de Sousa nas eleições presidenciais de 24 de Janeiro: 70,35% e 53,48%. O primeiro é a percentagem com que Mário Soares foi reeleito em 1991, a maior de sempre em democracia. O segundo retrata o recorde de abstenção em presidenciais democráticas e aconteceu em 2011, quando Cavaco Silva foi reeleito Presidente da República.