Frederico Silva qualifica-se para o quadro principal do Open da Austrália

O tenista português junta-se a João Sousa e Pedro Sousa, os outros dois tenistas nacionais já com lugar assegurado nessa fase da prova.

Foto
Frederico Silva Tiago Petinga

Frederico Silva é o 11.º português a disputar o quadro principal de uma prova do Grand Slam, depois de, nesta quarta-feira, ter ultrapassado a fase de qualificação do Open da Austrália. Aos 25 anos, jogador luso cumpre uma das metas mais ambicionadas por um tenista profissional e vai juntar-se a João Sousa e Pedro Sousa em Melbourne, onde, a partir de 8 de Fevereiro, começa o Open australiano. Será a primeira vez que Portugal vai contar com três representantes a competir em simultâneo num quadro principal masculino de um Grand Slam.

Silva foi um dos 16 tenistas apurados do qualifying, após derrotar o experiente francês Gregoire Barrére (110.º), o mais cotado do quadro de 128 jogadores, por 6-3, 6-4, depois de, no segundo set, recuperar de 2-4 e anular três break-points quando serviu para concluir o encontro.

“Obviamente que estou muito satisfeito pelo resultado e pelo qualifying que fiz. Foram três bons encontros e hoje voltei a jogar bem. Foi um jogo muito bem conseguido da minha parte a nível mental, nunca tinha estado à frente numa situação destas, para entrar num Grand Slam, e senti que soube controlar bem as emoções, manter-me na frente do resultado e fechar em dois sets, que foi bastante importante para mim”, afirmou Silva.

No final de Setembro, o quarto melhor tenista português no ranking mundial esteve muito perto de chegar ao quadro final do torneio de Roland Garros, mas perdeu na última ronda. “Claro que jogar um quadro principal de um Grand Slam é um dos primeiros objectivos na carreira de um jogador e estou muito contente por ter conseguido alcançá-lo aqui no Open da Austrália. Estou agora muito motivado por estas semanas de quarentena que me esperam e pelo qualifying do ATP 250 que vou poder jogar antes do Open. Vou tentar aproveitar ao máximo esse torneio e depois tentar estar na melhor forma possível para o quadro principal”, adiantou o tenista das Caldas da Rainha.

Para já, o tenista português e o seu treinador, Pedro Felner, vão manter-se em Doha (Qatar) enquanto esperam as indicações da organização do Open da Austrália quanto à viagem. “Parece que os voos de Doha para Melbourne vão realizar-se durante a madrugada de quinta para sexta-feira, mas ainda estamos à espera que a organização nos diga alguma coisa sobre isso. E também estamos à espera que se definam os parceiros de treino que vamos ter durante a quarentena”, explicou Silva.