Porque o “amanhã é hoje”, Turismo de Portugal lança apelo sustentável

Campanha promove um turismo mais responsável e sustentável, lançando o repto aos turistas dos principais mercados emissores para cuidarem e valorizarem a natureza dos seus países.

Foto

Enquanto o país se aproxima de um novo confinamento e o mundo das viagens permanece praticamente em suspenso, o Turismo de Portugal lança uma campanha de “promoção de um turismo mais responsável e sustentável” nos principais mercados emissores: Reino Unido, França, Espanha, Alemanha e, brevemente, Brasil.

Cada vídeo mostra belas paisagens do país a que se dirige, num “apelo à mobilidade” e numa “convocatória à união, à consciência colectiva e à vontade e responsabilidade destes destinos protegerem aquilo que lhes foi atribuído pela natureza, que é essência da sua identidade e que urge que se conserve para sempre”.

A natureza “que deslumbra os viajantes”, naqueles países como em Portugal, “só se manterá se cada um se responsabilizar por atrair visitantes mais respeitadores e mais conscientes”, escreve o Turismo de Portugal em comunicado. A campanha que agora arranca, e que será difundida durante o primeiro trimestre de 2021, “exclusivamente em meios digitais e de forma totalmente orgânica”, “sem investimento em publicidade”, quer ser um passo nesse sentido.

Em cada vídeo, o protagonista, na voz de uma criança e na língua oficial de cada país que se transforma depois num dos anfitriões do sector em Portugal (Gil Fernandes, chef da Fortaleza do Guincho; João Mealha, instrutor de surf na Costa Vicentina; Ana Sousa, governanta das Casas Caiadas; e Maria Fernandes, guia intérprete em Coimbra), apela “à responsabilidade de um turista e de um sector mais sustentável, traduzido na assinatura ‘Tomorrow is today’ (“amanhã é hoje”, em português)”, “força motora que nos fará a todos redescobrir novas formas de viajar”.

A mensagem da campanha, acrescenta o Turismo de Portugal em comunicado, “surge subtilmente embrulhada e apurada em peso histórico”, utilizando como banda sonora um “arranjo exclusivo, desenvolvido a partir da música Verdes são os campos, de Zeca Afonso, criada a partir de um poema de Luís Vaz de Camões”.

O conceito, refere-se ainda, deriva das orientações globais da Organização Mundial do Turismo, que apontam para uma “recuperação responsável do sector”, após a pandemia, para que a actividade turística retome “ainda mais forte e mais sustentável”.

Esta é também uma aposta da entidade portuguesa, inscrita como “um dos principais objectivos da Estratégia Turismo 2027”, que “define uma visão para o turismo nacional, estabelece prioridades e se responsabiliza com metas de sustentabilidade económica, social e ambiental”.

“Esta mensagem transmite a nossa responsabilidade, enquanto destino turístico, para com os portugueses, os turistas, as empresas do sector e, acima de tudo, para com um planeta que precisa de se regenerar”, afirma Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

Enquanto o Plano +Sustentável 20/23 se mantém em discussão pública até 26 de Janeiro, Portugal assume a sustentabilidade também como foco de promoção, “no sentido de prepararmos um futuro mais resistente, mais resiliente e, acima de tudo, mais responsável”, acrescenta.