O mundo sonhado dos Beautify Junkyards: à descoberta de Reverie

Esta sexta-feira a banda edita o seu quarto álbum, Cosmorama, nova expansão do seu universo tropicalista e psicadélico. Em exclusivo no Ípsilon, o vídeo do novo single, Reverie

Foto
Os Beautify Junkyards, que nasceram das cinzas dos Hipnótica, estrearam-se em 2013 com a edição de um álbum homónimo Lois Gray

O esqueleto de um edifício esventrado e um portal que se abre para floresta luxuriante. Uma viajante que atravessa esses portais (da floresta para a praia, da praia para o espaço sideral), e uma feiticeira entregue a afazeres místicos — feitiçarias, naturalmente. Cenários misteriosos, uma porta aberta para a imaginação, o sonhar de novos sonhos. Resumamos assim, sem resumir, aquilo que vemos em Reverie, que conta com a voz da convidada Nina Miranda e que é o segundo single extraído do novo disco dos Beautify Junkyards, Cosmorama, que será editado esta sexta-feira. Antecipamo-lo com a divulgação no Ípsilon do vídeo do novo single.

O título do álbum era o de uma galeria de maravilhas de muito sucesso na Londres vitoriana. Tratava-se de uma casa onde, através de um elaborado mecanismo de lentes e espelhos, os visitantes tinham a possibilidade de viajar até lugares distantes, observando atentamente, nas paredes, as reproduções gigantescas de monumentos, paisagens ou animais ferozes de outras latitudes. Ideal, portanto, para uma banda que, desde o seu início, procura resgatar linguagens e sons do passado (o tropicalismo, o psicadelismo folk, o kraut-rock, a electrónica pioneira) para, recontextualizando-os, projectar novas ideias de futuro – tudo explicado na entrevista com a banda lisboeta que será publicada no Ípsilon desta sexta-feira.

Cosmorama sucede a Beautify Junkyards (2013), The Beast Shouted Love (2015) e The Invisible World of Beautify Junkyards (2018) e é o álbum em que o universo em constante expansão da banda, nascida após o fim dos Hipnótica, se mostra com maior intensidade e nível de detalhe sonoro. Antecipado com entusiasmo no país da editora a que estão associados, a britânica Ghost Box, como o mostram o destaque que os Beautify Junkyards têm tido em publicações especializadas como a Mojo, Uncut ou Shindig, Cosmorama conta com as vozes convidadas de Nina Miranda, dos Smoke City, e de Alison Bryce, dos nova-iorquinos Lake Ruth, e com a harpa de Eduardo Raon (antigo membro dos Bypass, colaborador dos Hipnótica, instrumentista e compositor, actualmente radicado na Eslovénia, que vem desenvolvendo trabalho nos últimos anos na área da música contemporânea e improvisada).

Os Beautify Junkyards são formados por João Kyron (voz e teclados), João Moreira (guitarra e teclas), Sergue Ra (baixo), António Watts (bateria e percussão), Helena Espvall (violoncelo, flauta e guitarra) e Martinez, vocalista que veio substituir Rita Vian, que decidiu aventurar-se numa carreira a solo.

O vídeo de Reverie foi realizado por João Vaz e conta com a participação de Marija Reikalas, artista gráfica radicada em Lisboa, e de Bunny O’Williams, pseudónimo da DJ e radialista Inês Coelho.