Covid-19: Casinos param o jogo e despedem-se até ao fim do confinamento

Os estabelecimentos são obrigados ao encerramento a partir das 00h de sexta-feira.

Foto
DR

“Em prol da contenção da crise pandémica de covid-19”, como refere a Estoril Sol, os casinos encerram esta sexta-feira e ficam a aguardar. 

Incluídos na lista de estabelecimentos que devem encerrar durante o actual estado de emergência, os casinos - que em 2020 terão tido uma quebra de receitas de cerca de 50%, segundo a associação do sector - fecham por completo.

A Estoril Sol encerra assim o Casino Estoril, Casino Lisboa e Casino da Póvoa, em “consideração com a nova resolução do Conselho de Ministros extraordinário”. 

Será um mês sem mais jogos nem entretenimento. A “Estoril Sol mantém como máxima prioridade a salvaguarda do bem-estar e da saúde dos seus funcionários e clientes que frequentam os seus casinos físicos”, refere a empresa em comunicado.

Também a Solverde comunicou o encerramento de todos os seus casinos: Casino Espinho, Casino Chaves e Casinos do Algarve (Monte Gordo, Vilamoura e Praia da Rocha).

“O Grupo Solverde manterá a cooperação com as autoridades nacionais, adoptando sempre as medidas que forem necessárias, com o objetivo de ajudar a travar a evolução da pandemia de covid-19 em Portugal”, garante a empresa em nota à imprensa. 

Segundo dados da Associação Portuguesa de Casinos, dos onze existentes em Portugal, os espaços em Lisboa e Estoril registaram em 2020 a maior quebra de receitas brutas: o Casino de Lisboa, que lidera no volume de jogo no país com uma quota de 24,3%, fechou o ano com uma quebra de 54,6% face a 2019, para 38,4 milhões de euros; já o casino do Estoril facturou cerca de 30 milhões de euros, menos 52,2%.

Os restantes casinos do país também registaram quebras de receita entre cerca de 45 a 50%. Só Tróia registou uma quebra mais reduzida, de cerca de 31%.