Vestida para impeach: Nancy Pelosi repete indumentária do primeiro impeachment

A democrata e presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, “desenterrou” o fato com que liderou o primeiro impeachment a Donald Trump e voltou a envergar a mesma roupa no segundo e histórico processo.

Nancy Pelosi escolheu usar o mesmo saia e casaco escuro que tinha exibido na votação do primeiro <i>impeachment</i>
Fotogaleria
Nancy Pelosi escolheu usar o mesmo saia e casaco escuro que tinha exibido na votação do primeiro impeachment Reuters/JONATHAN ERNST
Nancy Pelosi, em Dezembro de 2019
Fotogaleria
Nancy Pelosi, em Dezembro de 2019 Reuters/Jonathan Ernst

Nancy Pelosi tem um vestido de impeachment, noticiou o New York Post. É que a presidente da Câmara dos Representantes vestiu exactamente a mesma roupa que apresentou quando do primeiro impeachment. “Um simbolismo”, escreveu a revista People.

O gabinete de Nancy Pelosi confirmou à People que a roupa usada, na quarta-feira, pela democrata, que manterá a presidência da câmara baixa onde o seu partido mantém a maioria (ainda que tenha perdido lugares nas últimas eleições), foi a mesma levada à sessão de 18 de Dezembro de 2019, a data do primeiro impeachment. Na altura, o impeachment ao Presidente Donald Trump foi votado favoravelmente, depois de este ter sido acusado de reter cerca de 400 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia, ao mesmo tempo que pressionava o governante do país europeu a descobrir “podres” sobre a família de Joe Biden.

Talvez acreditando na boa sorte que a indumentária lhe traria – e trouxe: não só o processo de impeachment foi aprovado, como se esperava dada a maioria democrata, como contou com o aval de dez republicanos, um número superior ao inicialmente estimado –, Nancy Pelosi voltou a usar o fato escuro de saia e casaco, combinando-o com um colar dourado e uma máscara de protecção individual com motivos florais. De fora, ficou o broche dourado usado em 2019 que, explicou o New York Times, tinha a forma de uma maçã cerimonial, símbolo do poder legislativo.

É que até se poderia acreditar em coincidências, mas a política norte-americana é conhecida por não deixar a escolha do guarda-roupa ao acaso. 

Frivolidade ou ferramenta de comunicação?

Analisar a roupa foi, ao longo de anos, sinal de frivolidade. Mas, notam os analistas políticos, a importância do guarda-roupa não é de desprezar. Foi isso que aconteceu a 5 de Fevereiro de 2019, durante o discurso do Estado da Nação de Donald Trump, quando a maioria das mulheres com assento no parlamento, várias republicanas incluídas, escolheram usar branco – cor associada ao movimento sufragista, numa repetição do que sucedera em 2017, mas ainda com mais força.

Foto
Nancy Pelosi, ao centro, rodeada pelas democratas da câmara baixa Joshua Roberts

“Usar o branco sufragista é uma mensagem respeitosa de solidariedade para com as mulheres de todo o país, e uma declaração de que não voltaremos atrás nos nossos direitos duramente conquistados”, disse, na altura, a representante Lois Frankel da Florida à CNN.

No ano anterior, e seguindo os passos de Hollywood, vários congressistas vestiram-se de preto durante o discurso do Estado da União de Trump, em sinal de apoio aos movimentos #MeToo e Time's Up.

Foto
Jonathan Ernst/Reuters

Já em Junho de 2020, Nancy Pelosi apresentou-se no Capitólio para anunciar a legislação de reforma da polícia do Partido Democrático num fato vermelho vivo que combinava com um cachecol originário do Gana. Isto numa altura em que o país fervilhava após a brutal morte de George Floyd sob custódia da polícia de Mineápolis, com muitos a darem voz a uma corrente de solidariedade com a comunidade negra sistematicamente brutalizada pelas autoridades.