Algarve e Alentejo, Madeira e Açores entre os “destinos mais seguros” para férias em 2021

Enquanto as medidas de contenção da pandemia se tornam generalizadas, a European Best Destinations mantém a esperança para 2021 e escolhe quatro regiões portuguesas para o seu top de férias, destacando a segurança, as maravilhas naturais e as expectativas para o ano.

Foto
Açores (ilha das Flores) são um dos destaques Enric Vives-Rubio

Em 2020, a organização European Best Destinations, célebre pela eleição anual do melhor destino europeu do ano - este ano com Braga em competição -, já tinha destacado Portugal várias vezes nas suas listas de férias seguras em tempo de covid-19.  Desta feita, a lista volta a destacar as mesmas quatro regiões portuguesas, que voltam a ser das mais “ideais” e “seguras” para planear férias em 2021. Um sinal de esperanças para o futuro numa altura que Portugal entra em novo confinamento

“A situação desenvolve-se continuamente”, refere a EBD, indicando que em 2020 chegou a aconselhar toda a gente a ficar em casa, depois destacou locais para férias “em segurança” e seguindo todas as directivas da Organização Mundial de Saúde e direcções de cada país. A lista foi publicada esta semana.

Agora, com “a vacina” que vai chegando e poderá “permitir-nos viajar com mais segurança”, dizem, foram escolhidos “destinos que permaneceram seguros durante a pandemia”. Entre os critérios, a segurança dos hospitais locais, o número reduzido de casos de covid-19, a noção de que, por isso mesmo, são locais que poderão mais consistentemente ter menos restrições ou períodos de confinamentos, mesmo que estes possam ocorrer temporariamente - como é agora o caso português e por muitas partes do mundo.

Para futuros planos, a Madeira surge em primeiro lugar na lista online, sendo referida como tendo permanecido “como o destino mais seguro da Europa” desde o “início da pandemia” - o arquipélago intensificou as medidas de controlo temporariamente no início da semana. São destacadas as medidas de segurança do arquipélago e os “altos níveis de higienização” impostos pelo Governo regional.

Foto
A Madeira surge em 1º na lista Andreia Carvalho

E logo a seguir neste top europeu, os Açores, “que permaneceram na zona verde dos destinos mais seguros” e espera-se que se mantenham um “destino seguro para as suas férias em 2021” - o arquipélago começou a intensificar medidas de contenção no início de Janeiro. “Em 2021, os Açores são um dos destinos mais seguros, mais surpreendentes e mais confortáveis”.

O Algarve surge também destacado na lista, com foco no concelho de Lagoa. Região “quase intocada” pela pandemia, diz-se em comparação com o resto da Europa, é certeza de “segurança” até pela sua baixa densidade populacional e sugere-se o concelho de Lagoa pelas suas belezas naturais e medidas de protecção em vigor. 

Foto
O Alentejo e a sua costa em destaque Rui Gaudêncio

Pelas mesmas razões, o Alentejo merece também destaque maior, sendo “uma das regiões menos afectadas pela covid-19 na Europa”. “Centenas de quilómetros de praias” e (ainda) com “partes da costa imaculadas”, “aldeias pequena e autênticas”. É “perfeito para fugir às grandes cidades e ao stress”.

Além das regiões portuguesas, a lista inclui muita Grécia (Asos, ilhas de Kefalonia; Corfu; Kokkari, ilha de Samos; Meteora; Icária), Cavtat na Croácia, Montecarlo e ainda indica ilhas mais longínquas que são departamentos de França, a ilha de Martinica e o Taiti, respectivamente nas Antilhas e na Polinésia francesa.

Seja quando for que viaje, reforçam, “permaneça vigilante e não se esqueça da distância social, de usar uma máscara quando possível e exigido”. “Evite viajar se estiver com problemas de saúde” e seja particularmente cuidadoso se estiver em grupos de risco, indicam, rematando: “É também nossa responsabilidade proteger os nossos entes queridos mais frágeis e as pessoas dos países anfitriões”.

Entre os bons conselhos, recomenda-se que reserve alojamentos com a possibilidade de 100% de reembolso e sem taxas de cancelamento, assim como no caso de voos ou passeios e actividades.