Chegou a hora de Baby Trump ir para o museu

O balão que perseguiu o Presidente durante anos ganhou uma morada permanente: o Museu de Londres. “Esperamos que o Baby Trump sirva como um lembrete da política de resistência”, comentou a equipa que criou o gigante insuflável.

Sadiq Khan
Fotogaleria
LUSA/ANDY RAIN
questoes-sociais,londres,eua,america,reino-unido,europa,
Fotogaleria
Reuters/Mike Blake
questoes-sociais,londres,eua,america,reino-unido,europa,
Fotogaleria
Reuters/BRYAN WOOLSTON
questoes-sociais,londres,eua,america,reino-unido,europa,
Fotogaleria
Emn Washington, D.C., no 4 de Julho de 2019 REUTERS/Carlos Barria
questoes-sociais,londres,eua,america,reino-unido,europa,
Fotogaleria
Em Calexico, Califórnia REUTERS/Carlos Jasso

Nasceu há quase três anos, por altura da visita do Presidente Donald Trump ao Reino Unido: um balão com cerca de seis metros de altura, caricaturando Trump na forma de um bebé irritado. A ideia original passou por captar a atenção do ainda Presidente dos Estados Unidos, através dos seus pontos fracos. “Ele é um homem extremamente inseguro e esse é o único poder que temos sobre ele. Se queremos a atenção de Trump, temos de fazer algo que o faça sentir humilhado”, explicou, na altura, Leo Murray, um dos autores do projecto.

Foto
REUTERS/Carlos Barria

Mas depressa o Baby Trump, que obteve autorização do presidente da câmara da cidade para sobrevoar os céus londrinos, atravessou fronteiras e começou a seguir o magnata para onde quer que este fosse. Até agora – com a saída de Donald Trump da Casa Branca, o balão contará com uma morada fixa: o Museu de Londres, que já tinha manifestado o desejo de incluir este objecto na sua colecção.

“Desde as sufragistas do início do século XX até às marchas anti-austeridade, liberdade de expressão e Black Lives Matter – a capital [Londres] tem sido sempre o lugar onde se pode ter a palavra”, contextualizou a directora do museu, Sharon Ament, citada em comunicado, explicando que “ao recolher o balão”, a instituição pode “registar o sentimento que se abateu sobre a cidade naquele dia e captar um momento particular de resistência”.

Mas, para a equipa que fez nascer o balão a sua ida para o Museu de Londres é também sinal de que a luta continua: “Embora estejamos satisfeitos por o Bebé Trump poder agora ser remetido para o passado juntamente com o próprio homem, não temos ilusões de que este seja o fim da história.”

“Acima de tudo, esperamos que Baby Trump sirva como um lembrete da política de resistência que teve lugar durante o tempo de Trump em funções. Este grande insuflável foi apenas uma pequena parte de um movimento global – um movimento que foi liderado pelas pessoas marginalizadas cuja política de Trump estava mais ameaçada – e cujo papel neste momento nunca deve ser subestimado.”