Bruno Candé foi morto por ódio racial com cinco tiros, acusa Ministério Público

Despacho de acusação lembra as expressões usadas por Evaristo Marinho, ex-militar da Guerra Colonial, contra Bruno Candé. Arguido declarou autoria do crime à Polícia Judiciária. Actor foi assassinado em Julho, em pleno dia, em Moscavide, Lisboa, com cinco tiros: com o primeiro, caiu; os quatro seguintes foram disparados quando já estava prostrado, segundo o MP.

Foto
DIOGO VENTURA

Cinco tiros, quatro deles quando o actor já estava prostrado no chão, motivados por ódio racial. O Ministério Público (MP) acusou Evaristo Marinho, de 76 anos, de ser o autor do crime de homicídio qualificado do actor Bruno Candé. Embora o despacho de acusação não o mencione, o PÚBLICO sabe que o arguido declarou à PJ e, mais tarde, ao MP, ter sido o autor do crime, embora tenha negado a motivação de racismo.