May acusa Johnson de ter “abandonado” a “posição de liderança moral global” do Reino Unido

Antecessora do primeiro-ministro britânico lamenta impacto negativo da ameaça de violação de direito internacional na credibilidade do país. E diz que a Administração Biden é uma “oportunidade de ouro”.

Foto
Theresa May, ex-primeira-ministra do Reino Unido TOBY MELVILLE/Reuters

A antiga primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, lançou um duro ataque ao seu sucessor no cargo, Boris Johnson, acusando-o de ter “abandonado” a “posição de liderança moral global” do Reino Unido e de ter contribuído para prejudicar a credibilidade externa do país, num artigo de opinião publicado esta quarta-feira no Daily Mail.

Sem nunca referir o nome do chefe do executivo britânico, mas elencando algumas decisões recentes tomadas pelo seu Governo, May defendeu que a presidência de Joe Biden nos Estados Unidos será uma “oportunidade de ouro” para o Reino Unido voltar a “desempenhar um papel decisivo na configuração de um mundo mais cooperante”.

A ameaça de violar o Direito internacional, ao voltar atrás num tratado que tinha acabado de ser assinado, e o abandono da nossa posição de liderança moral global, enquanto única grande economia que cumpre as metas de 2% de despesa em Defesa e 0,7% de despesa em ajuda internacional, não foram posições que, na minha visão, aumentaram a nossa credibilidade aos olhos do mundo”, escreveu a ex-primeira-ministra conservadora.

“Os outros países ouvem aquilo que temos a dizer não só por quem somos, mas por aquilo que fazemos. O mundo não nos deve um lugar proeminente no seu palco. Independentemente da retórica que lançamos, são as nossas acções que contam. Por isso, não devemos fazer nada que dê sinais de recuo em relação aos nossos compromissos globais”, insistiu May.

Substituída na liderança do Partido Conservador e na chefia do Governo britânico em Julho de 2019, depois de ter sido derrubada pela ala hard-brexiteer do partido, que não aceitava uma saída “suave” do Reino Unida da União Europeia, Theresa May manteve o silêncio durante longos meses.

Como deputada, regressou, no entanto, ao combate político activo nos últimos meses de 2020, particularmente para criticar Johnson e o seu Governo por causa da proposta de lei – retirada pouco antes de alcançado um novo acordo de parceria pós-“Brexit” com a UE – que desobrigava o Reino Unido do cumprimento de certas disposições do tratado internacional assinado com os 27 e que permitiu a oficialização do divórcio.

“Como é que o Governo pode assegurar aos seus parceiros internacionais que podem confiar no Reino Unido para cumprir as obrigações jurídicas dos acordos que assina?”, questionou May, em Setembro, na Câmara dos Comuns.

No seu artigo no Daily Mail, a ex-primeira-ministra pediu mesmo uma “mudança na política mundial”, criticando a polarização promovida por vários líderes, incluindo Donald Trump – de quem, assume, “nunca sabia o que esperar” e a quem atribuiu responsabilidades pelos “ataques às instituições democráticas” de há duas semanas, no Capitólio norte-americano.

“Há demasiado tempo que estamos a deslizar para o absolutismo nas relações internacionais: se não estás 100% comigo, então deves estar contra mim a 100%. Neste mundo não há lugar a um compromisso amadurecido. Em vez disso, palavra ‘compromisso’ é vista como suja. Na verdade, é o oposto”, considera May. “Temos de rejeitar um cenário em que poucos ‘homens-fortes’ se enfrentam e, em vez disso, juntar as pessoas em redor de uma causa comum”.