Jorge Jesus diz que “para jogar o dobro”, “tinha que treinar”

O treinador do Benfica, que não vence fora na I Liga há dois meses, fez a antevisão da partida dos benfiquistas em Faro.

Foto
LUSA/TIAGO PETINGA

No currículo do Benfica na I Liga 2020/21 há apenas quatro vitórias em nove jogos como visitante – a última foi a 20 de Dezembro em Barcelos -, mas Jorge Jesus considera que a sua equipa “tem vindo a melhorar neste último mês” e volta a apontar o dedo à covid-19 no baixar da fasquia colocada no início da época: “Disse que ia por o Benfica a jogar o dobro, mas para fazer isso tinha de os treinar e durante dois meses não os pude treinar.” Sobre a deslocação deste domingo ao Algarve (20h15, SPTV1), o técnico diz que contra o Farense, os “encarnados” têm de ir à procura “da vitória e dos três pontos.”

Ainda com o empate frente ao Arsenal em Roma, resultado que mantém tudo em aberto na luta pelo apuramento na Liga Europa, a ser digerido – “a equipa que jogou quinta-feira ainda nem a vi, só fez recuperação” -, Jorge Jesus confirmou que Gabriel será o substituto do castigado Weigl em Faro, deixando em aberto a possibilidade de fazer mais alterações: “É normal que alguns [jogadores] estejam mais carregados que outros e aí terei de mudar.”

O desgaste de alguns dos seus atletas e os resultados aquém das expectativas motivaram, aliás, uma análise de Jesus, que não se mostrou surpreendido por existir contestação ao seu trabalho, apesar de haver união entre “presidente, treinador, Rui Costa e jogadores”.

O técnico refere que, “como é óbvio”, os adeptos “querem ganhar, seja como for”, não se importando com o “que tenha acontecido à equipa”. E o que aconteceu foi, segundo Jesus, algo que “não estava preparado”. “As expectativas da minha chegada a Portugal foram altas, lembro-me do que disse - que ia pôr o Benfica a jogar o dobro. Mas para isso tinha de os treinar. E durante dois meses não os pude treinar.”

Sobre o Farense de Jorge Costa, Jesus destaca “um adversário bem organizado defensivamente, com alguns jogadores com qualidade e outros com muita experiência de I Liga”, mas o Benfica  tem “de ir à procura de um só resultado: a vitória e os três pontos.”