Fotografia

Campos caóticos e sobrelotados: ele fotografa o desporto como nunca o vimos

"É uma espécie de timelapse estático", explica o fotógrafo norte-americano Pelle Cass, autor das imagens que compõem a série Crowded Fields. "Cada uma resulta de mais de mil disparos e de mais de 80 horas de edição em Photoshop."

Basquetebol ©Pelle Cass
Fotogaleria
Basquetebol ©Pelle Cass

A prática desportiva é um dos principais passatempos humanos. E também um dos mais fotografados. Mas dificilmente iremos ver fotografia desportiva como a do norte-americano Pelle Cass, que descreve campos de jogos sobrelotados onde impera o caos.

Cada fotografia de Crowded Fields resulta de mais de mil disparos sobre o mesmo espaço e mais de 80 horas de edição em Photoshop. Cass explica, em entrevista ao P3, o método que utiliza para chegar ao invulgar produto final. “Coloco a minha câmara no tripé, faço entre mil e cinco mil fotografias [do mesmo campo] e compilo as melhores naquilo que pode ser chamado de timelapse estático.”

No seu estúdio, Pelle Cass começa com uma tela em branco, ou seja, com o seu campo de jogos livre de presença e acção. Revê e selecciona, entre as milhares de fotografias que realizou, aquelas que deseja manter e excluir. “Não altero nada – nem um píxel”, alerta. “Aquilo que vêem é exactamente aquilo que aconteceu, apenas não aconteceu em simultâneo.”

O principal adversário deste moroso e exigente processo é o tédio, confessa o fotógrafo, natural de Brookline, Massachusetts. “Cada fotografia demora entre 20 a 80 horas a ser editada em Photoshop. Eu tenho de sentir entusiasmo por cada fotografia para ter paciência para trabalhá-la até estar terminada.” Sobretudo porque Cass nem sequer gosta particularmente de assistir a jogos desportivos. “Para mim, as sessões fotográficas não são assim tão interessantes. Gosto de desporto, mas prefiro jogar do que ver jogar. Assistir a um jogo inteiro de lacrosse não é muito divertido. Gosto de assistir a desportos que são novos para mim, mas só durante cinco a dez minutos.”

O conceito de Cass não difere, grandemente, das colagens de polaroids que o artista britânico David Hockney desenvolveu nos anos 1980, que condensavam vários momentos de uma acção numa só imagem de natureza fotográfica. O método e o resultado gráfico de Cass são, porém, distintos. “Fiz algo novo numa área da fotografia [a desportiva] que tende a encorajar formatos narrativos tradicionais, de reportagem”, refere o norte-americano. “Sempre tive na minha cabeça uma ideia do que seria a composição [fotográfica] ideal: tudo a acontecer ao mesmo tempo em todas as áreas da imagem. Isto é algo que um pintor pode, tecnicamente, tornar real com facilidade e que se torna muito difícil de obter numa fotografia.” Cass fotografava jogos nos parques de Boston, a cidade onde vive, e “era perfeito”. Foi assim que percebeu que fotografar desporto era a situação ideal.

“De certa forma, as minhas imagens aproximam-se mais da experiência humana do que a fotografia estática convencional, que, ao contrário do olho humano, pode apenas capturar um instante”, explica. “Na memória, todos os instantes tendem a empilhar-se num amontoado de imagens – quiçá, algo parecido com as minhas fotografias.” Cass garante que não fez este trabalho por achar que se tornaria popular, mas que “acabou por acontecer”. O seu trabalho já foi apresentado em várias publicações, nomeadamente na FOAM, GQ, Bloomberg Businessweek, The Atlantic, entre outras.

Lacrosse
Lacrosse ©Pelle Cass
Ténis
Ténis ©Pelle Cass
Hóquei em Patins
Hóquei em Patins ©Pelle Cass
Basquetebol
Basquetebol ©Pelle Cass
Salto ornamental ou salto para a água
Salto ornamental ou salto para a água ©Pelle Cass
Salto ornamental ou salto para a água
Salto ornamental ou salto para a água ©Pelle Cass
Hoquéi no gelo
Hoquéi no gelo ©Pelle Cass
Ténis
Ténis ©Pelle Cass
Futebol Americano
Futebol Americano ©Pelle Cass
Pólo Aquático
Pólo Aquático ©Pelle Cass
Remo
Remo ©Pelle Cass
Esgrima
Esgrima ©Pelle Cass
Salto à Vara
Salto à Vara ©Pelle Cass
Surf
Surf ©Pelle Cass
Pólo Aquático
Pólo Aquático ©Pelle Cass
Sugerir correcção