Portugal faz-se representar na Bienal de Arquitectura de Veneza com uma exposição e nove debates

Calendário das sessões propostas pelo atelier depA começa já no dia 14 e vai até Setembro, entre Veneza, Lisboa e Porto.

Foto
A situação da habitação em Lisboa é o tema da primeira sessão do programa In Conflict Daniel Rocha

Confirmadas que se mantêm as datas da 17.ª edição da Bienal de Arquitectura de Veneza – que, depois de dois adiamentos, está agora apontada para decorrer entre 22 de Maio e 21 de Novembro –, o depA, atelier responsável pela representação portuguesa no evento, divulgou esta quarta-feira o calendário definitivo dos debates que vão acompanhar a exposição In Conflict.

Às seis sessões já anunciadas no passado mês de Novembro, e resultantes da open call lançada pelo atelier portuense, a equipa formada pelos arquitectos Carlos Azevedo, João Crisóstomo e Luís Sobral acrescentou agora mais três debates com a sua própria curadoria, que decorrerão presencialmente em Veneza, Lisboa e Porto.

O primeiro trio de sessões vai realizar-se ainda antes da abertura oficial da bienal, e – a pensar no contexto de restrições que, em Itália como noutros países europeus, decorrem da pandemia da covid-19 – acontecerá online, em três domingos do corrente mês de Março e de Abril, sempre às 18h30.

No dia 14, a arquitecta e deputada Filipa Roseta, a arquitecta Inês Lobo, o geógrafo Luís Mendes e o vereador da Câmara Municipal de Lisboa Ricardo Veludo participam num debate sobre as estratégias futuras para a habitação na capital portuguesa. A sessão será organizada e moderada por Gennaro Giacalone, Margarida Leão & João Romão.

No dia 28, sob o mote Instant City, os arquitectos Manuel Herz e Maria Neto e o antropólogo Michel Agier vão explorar o papel da arquitectura nas construções de emergência para abrigar populações refugiadas. A moderação caberá a Bernardo Amaral e Carlos Machado e Moura.

O terceiro debate online acontecerá a 11 de Abril: sob o título Lines of Violence, Patrícia Robalo dinamizará uma discussão sobre a produção do conflito na contemporaneidade, em que participam os arquitectos Aitor Varea Oro e Lígia Nunes, a programadora Ana Bigotte Vieira, a investigadora Helena Barbosa Amaro, o tradutor Nuno Leão e ainda Sandra Lang, construtora de violinos.

Será depois a 22 de Maio, dia da inauguração oficial da 17.ª Bienal, que o Palácio Giustinian Lolin, sede da representação portuguesa, irá acolher a primeira das suas sessões presenciais: Ângela Ferreira, Gérard Lambert, Paulo Tavares e Rui Mendes, com moderação de Fernanda Fragateiro e Jorge Carvalho, abordam o tema No state council; um dia depois, intervêm Cátia Faria, Isabel Gutiérrez Sánchez, Mariana Pestana e o atelier espanhol Husos, com moderação dos espanhóis António Giráldez Lópes e Pablo Ibáñez Ferrera (Bartlebooth).

Em Junho, o espaço de debate será o Palácio Sinel de Cordes, sob a chancela da Trienal de Arquitectura de Lisboa, com sessões nos dias 16 e 17. No primeiro, Álvaro Domingues, Helena Roseta, Joana Couceiro e Sónia Alves abordarão de novo o tema da habitação colectiva, com moderação de Samuel de Brito Gonçalves; Domestic matters é o mote da sessão seguinte, com representantes dos ateliers b+ (Alemanha) e Lacol (Espanha), e moderação de Anna Puigjaner e Moisés Puente.

Já depois do Verão, o programa In Conflict passa para o Porto, com o Mira Fórum a acolher duas novas sessões de debate, no fim-de-semana de 18 e 19 de Setembro. “Descolonizar a cidade” é o desafio para a primeira, com a participação de Dori Nigro, Marta Lança e Paulo Moreira, e organização de Ana Jara e Miguel Cardina; finalmente, Ana Naomi de Sousa, José António Pinto e Marina Otero Verzier serão questionados por Francisco Calheiros e Maria Trabulo sobre os processos de luta dentro do conflito.

“O papel da arquitectura nas políticas de habitação e de construção de infra-estruturas, o desenho de práticas espaciais de cuidados e as questões domésticas contemporâneas, a descolonização das cidades e a arquitectura dos campos de refugiados são alguns dos temas que estarão em cima da mesa” nestes eventos, diz a equipa dos depA no comunicado em que apresenta o seu calendário.

In Conflict, recorde-se, é o tema da representação portuguesa, que terá como base uma exposição com “uma selecção de processos da arquitectura nacional no pós-25 de Abril [de 1974] pautados por um amplo debate público e pelo envolvimento dos poderes políticos, da imprensa e da sociedade civil”.

Já o mote genérico da bienal está sintetizado na pergunta do seu curador principal, Hashim A. Sarkis, Como vamos viver juntos? O arquitecto libanês e actual director da Escola de Arquitectura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, citado no site da bienal veneziana, explicita-o assim: “O mundo está a colocar novos desafios à arquitectura. Estou ansioso por começar a trabalhar com os arquitectos de todo o mundo para pensarmos juntos como vamos enfrentá-los.”

Sobre a possibilidade de o actual calendário se cumprir efectivamente, neste contexto de pandemia prolongada, Carlos Azevedo diz ao PÚBLICO que a sua equipa tem estado em contacto com a organização da bienal e com os seus comissários. “Sabemos que ela se mantém marcada nas datas anunciadas no final do ano passado, e estamos a trabalhar para isso”, acrescenta o arquitecto.