Federação espanhola abre processo a Juan Cala

Medida surge após recepção do relatório do director de Integridade e Segurança da RFEF e de uma carta do Valência a propósito do episódio que manchou o jogo entre o Cádiz e o Valência, da Liga espanhola.

Foto
Mouctar Diakhaby, defesa francês do Valência, comunicou ao árbitro ter sido vítima de insultos de teor racista LUSA/ROMAN RIOS

A Federação Espanhola de Futebol (RFEF) abriu um processo disciplinar a Juan Cala para “esclarecer” se existiram insultos racistas do defesa do Cádiz ao francês Mouctar Diakhaby, do Valência, no jogo entre as duas equipas, anunciou aquele organismo.

"É imprescindível actuar com firmeza em relação a qualquer acção, manifestação ou declaração susceptível de violência, racismo, xenofobia ou intolerância no futebol. Por essa razão, foi aberto um processo disciplinar extraordinário a Juan Cala, para esclarecer a natureza e o alcance dos factos, para depois ser ou não aplicada uma sanção”, lê-se num comunicado do Comité de Competição da RFEF.

O organismo acrescenta que a medida surge após a recepção do relatório do director de Integridade e Segurança da RFEF e de uma carta do Valência, tendo os dois clubes congratulado a federação pela abertura do processo.

Em causa está o incidente ocorrido no encontro do último domingo, da 29.ª jornada da liga espanhola, em que Diakhaby abandonou o relvado, alegando ter sido alvo de um insulto racista por parte de Juan Cala.

O encontro esteve interrompido durante, mas acabou por ser reatado, sem Diakhaby, e terminou com um triunfo do Cádiz, por 2-1, com Cala a marcar um dos golos da sua equipa.

Na terça-feira, em conferência de imprensa, o central explicou que se desentendeu com Diakhaby durante a partida, mas que em nenhum momento existiu qualquer tipo de palavras ou ofensas racistas.

No mesmo dia, o francês utilizou as redes sociais do Valência para reforçar que foi alvo de um insulto racista por parte de Cala.

No relatório do árbitro, o juiz do encontro escreveu que Diakhaby comunicou a todos os membros da sua equipa (assistentes e quarto árbitro) que tinha sido alvo de um insulto racista por parte de Cala, mas realçou que tal não foi ouvido por ninguém.