Atlas Obscura e os mais “inusitados e incríveis” sítios em Portugal e no mundo

O projecto fundado em 2009 lançou agora um mapa online interactivo com mais de vinte mil “surpreendentes” locais a explorar em todo o mundo.

Foto
O Hospital de Bonecas, Lisboa Guilherme Marques

“Acreditamos que, onde quer que estejas, há sempre algo incrível ao virar da esquina e queremos que o explores.” Mais de vinte mil sítios num único mapa — em constante evolução —, que não é um mapa qualquer. Desde 2009 que o projecto Atlas Obscura se orgulha de catalogar os lugares mais “inusitados, surpreendentes e incríveis” do mundo, graças às descobertas partilhadas pela “intrépida” comunidade de viajantes. Agora, esses exploradores têm disponível esse guia à distância de alguns cliques.

As portas do inferno no Turquemenistão, as árvores de cabras em Marrocos, passando pelo misterioso lago dos esqueletos na Índia entre centenas e centenas de outras estranhezas arquitectónicas, catacumbas e maravilhas naturais que se misturam com colecções exclusivas e nada convencionais em todos os continentes e oceanos.

A lista cresce à velocidade de cerca de 200 locais por mês, confirma o projecto colaborativo Atlas Obscura, revista online fundada em 2009 por Joshua Foer e Dylan Thuras da qual cresceu o ramo de uma agência de viagens. “Recebemos umas 800 dicas por mês, mas temos que comprovar tudo, conseguir fotografias e assegurar que a recomendação é realmente uma maravilha escondida”, asseguram os seus fundadores. Os artigos editoriais incluem uma mistura de reportagens e artigos sobre História, Ciência e Gastronomia — em 2017 nasceu o Gastro Obscura —, para além de notícias sobre viagens aos lugares que apresentam como “os mais obscuros do mundo”.

Foto
A Caza das Vellas, Lisboa Daniel Rocha

Entre todos os que já exploraram Portugal ("acreditamos que todos podemos ser exploradores do mundo que nos rodeia"), ficaram registados quase cem locais no interactivo Atlas Obscura, sítios que se consideram estarem mais afastados das rotas mais visitadas, mas que ainda assim são “mágicos, maravilhosos e, nalguns casos, estranhos”.

Lisboa tem assinalados locais como o Jardim Bordallo Pinheiro, a Estufa Fria, o Hospital de Bonecas, a Caza das Velas Loreto, o Pavilhão Chinês, a Casa dos Bicos e até a cabeça embalsamada de Diogo Alves, considerado o primeiro serial killer de Portugal. No Porto, e para além da livraria Lello, há a descobrir as catacumbas da Igreja de São Francisco, o Jardim Botânico, as filas de azulejos do Banco de Materiais, a Estação de São Bento e até o McDonald's instalado no Imperial.

Foto
Os espigueiros de Soajo Anna Costa

De Norte a Sul, há dezenas de sítios. A Capela dos Ossos (Évora), um sobreiro de Águas de Moura, o Covão dos Conchos (serra da Estrela), a submersa Vilarinho da Furna, a Mina de São Domingos (Corte do Pinto), o cemitério de âncoras na praia do Barril, as ruínas de Conímbriga, os espigueiros do Soajo e a fortaleza de Almeida e outras estrelas entre muitas ruínas (como o Sanatório de Valongo), tradições (caretos de Lazarim), museus (dos Fósforos, em Tomar, ou da Música Mecânica, em Pinhal Novo) e aldeias (Piódão).