Toyota GR 86, o desportivo que ambiciona ser “divertido de conduzir”

Os carros focados no prazer da condução colada ao asfalto podem parecer em vias de extinção. Mas o vindouro GR 86 mostra que a Toyota quer preservar a espécie.

automovel,toyota,automoveis,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria
automovel,toyota,automoveis,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria
automovel,toyota,automoveis,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria

É certo que um automóvel é um meio de transporte, que devemos ter em consideração a sua funcionalidade para o que pretendemos no nosso dia-a-dia, que os SUV parecem ter enfeitiçado meia Europa (ou pelo menos em torno de 40%, o peso que este tipo de carroçaria tem nas vendas só em Portugal). No entanto, isso não significa que o sector esteja preparado para decretar a morte de outros segmentos, nem dos que fazem duvidar de que seja uma aposta coerente com a política de redução de emissões de gases poluentes. É o caso do icónico desportivo da Toyota que, mantendo-se “fiel ao conceito ‘divertido de conduzir’”, se prepara para se apresentar numa nova vida e com um novo nome. 

O GT86, lançado em 2012 e com mais de 200.000 unidades vendidas em todo o mundo, trocou as voltas e passa a apresentar-se como GR 86, incorporando desta forma a família Gazoo Racing, depois dos expeditos GR Supra e GR Yaris

Dinâmico e com uma condução envolvente, o GR 86 é um desportivo que apresenta entre as suas credenciais a agilidade, fruto do seu emagrecido peso — a Toyota estima que será o coupé de quatro lugares mais leve do segmento, com 1270 quilos — e baixo centro de gravidade. Face ao GT86 que substitui, a marca nipónica afiança que a rigidez torcional cresceu em cerca de 50%, o que permitirá um comportamento extremamente preciso.

Já os componentes aerodinâmicos funcionais, como as entradas de ar frontais e o recorte dos painéis laterais, foram desenvolvidos com base na experiência da Toyota Gazoo Racing na competição automóvel, ajudando o GR 86 a atingir o equilíbrio entre desempenho e estabilidade.

A dar-lhe vida estará um novo motor de quatro cilindros horizontalmente opostos (boxer) de 2,4 litros, e dupla árvore de cames à cabeça com injecção directa e indirecta. O bloco, explicou o emblema, foi redesenhado para ser mais leve e trabalhado de forma a apresentar um melhor desempenho em relação ao seu antecessor. Para já, a marca revelou que, o modelo lançado no Japão, surgirá com 235cv às 7000rpm e binário máximo de 250 Nm às 3700rpm, sendo capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 6,3 segundo, o que representa menos 1,1 segundo do que o GT86.

Com tracção traseira, a revelação do quatro lugares foi realizada em conjunto com o Subaru BRZ de segunda geração, ausente do mercado nacional, com o qual foi desenvolvido em parceria e numa “amigável rivalidade”. 

No interior, as versões japonesas do GR 86 irão apresentar um ecrã táctil de 7’’ para gerir o sistema de infoentretenimento, sendo que todo o painel de instrumentação e tablier beneficiaram de melhorias no sentido de serem mais fáceis de utilizar pelo condutor, sem o distrair. Para a Europa, ainda não se conhecem os detalhes, mas dadas as exigências com a segurança, é expectável que se apresente apetrechado de assistentes e ajudas à condução.

O GR 86 iniciará a sua vida comercial no Japão, este Outono, não tendo ainda data de lançamento em Portugal. No entanto, é muito provável que tal não aconteça antes de 2022.