Marcelo e Costa recordam Jorge Coelho como “cidadão dedicado ao país” e “amigo” que “criou laços que ultrapassavam as barreiras” partidárias

Jorge Coelho morreu esta quarta-feira à tarde, aos 66 anos, numa habitação na Figueira da Foz, na sequência de doença súbita. Políticos e ex-políticos recordam “uma pessoa extraordinariamente bem formada” e com uma “faceta de coração leal”, um “cidadão dedicado ao país” que era capaz de, nos momentos mais difíceis, dar “uma palavra de serenidade e bom senso”.

Foto
Jorge Coelho morreu esta quarta-feira aos 66 anos Francisco Romao Pereira

Jorge Coelho morreu esta quarta-feira à tarde, aos 66 anos, numa habitação na Figueira da Foz, na sequência de doença súbita. A notícia foi avançada inicialmente pela SIC, tendo o PÚBLICO confirmado o óbito com o comandante dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz. Ministro em dois governos de António Guterres, Jorge Coelho ficou definitivamente associado à queda da ponte de Entre-os-Rios, que o levou a pedir a demissão, alegando que “a culpa não pode morrer solteira”.

Marcelo Rebelo de Sousa já reagiu à notícia da morte do governante. Em directo na SIC Notícias, recordou um amigo que criou laços pessoais que ultrapassavam as barreiras do seu partido, ultrapassavam até os limites daquilo que era o círculo muito amplo dos seus amigos de sempre”.

“Em primeiro lugar, não posso esconder o choque do conhecimento desta morte inesperada. Ao mesmo tempo, recordar o amigo e, mais do que isso, recordar uma figura que esteve presente na vida pública portuguesa durante três décadas em várias qualidades — como governante, parlamentar, conselheiro de Estado, dirigente partidário, analista político e depois, numa fase mais recente, como gestor empresarial. E, de facto, com o seu estilo, um estilo muito próprio feito de intuição, de compreensão rápida e antecipação, às vezes, daquilo que eram as correntes da opinião pública, de perspicácia analítica, espírito combativo (às vezes, polémico), mas também de grande afabilidade e de abertura a todos os quadrantes e a todo o tipo de realidade que emergia na sociedade portuguesa”, referiu o Presidente da República.

Numa nota publicada na página da Presidência, Marcelo diz que “desaparece uma das mais destacadas personalidades da vida pública portuguesa nas décadas de 80 e 90 e no início deste século”. “Reunindo grande intuição, espírito combativo, perspicácia política, afabilidade pessoal e sentido de humor, deixou na memória dos portugueses o gesto singular de assumir, em plenitude, a responsabilidade pela tragédia de Entre-os-Rios e a capacidade rara de antecipar o sentir do cidadão comum”, lê-se na página.

Em directo da sede do PS, António Costa recordou o ex-governante como um “cidadão dedicado ao país” que era capaz de, nos momentos mais difíceis, dar “uma palavra de serenidade e bom senso”. “Os portugueses recordarão seguramente o Jorge Coelho como um cidadão dedicado ao seu país, que serviu com grande dignidade o Governo da República que deixou há 20 anos num momento trágico em que decidiu assumir pessoalmente a responsabilidade política por uma tragédia imensa”, disse o primeiro-ministro.

Foto
Jorge Coelho e António Costa

O também secretário-geral do PS afirmou ainda que Jorge Coelho procurou continuar a servir Portugal ao investir na sua terra, Mangualde, onde lançou uma queijaria e promoveu um dos produtos mais importantes da região.

“Para todos os socialistas é um momento particularmente doloroso, porque o Jorge Coelho não era só um camarada, era um amigo de todos nós e um amigo de todas as gerações do Partido Socialista. Poucos foram aqueles os que conseguiram exprimir tão bem a alma dos socialistas. É, por isso, um amigo, um camarada que todos perdemos e que iremos chorar cada um por si. Não o vamos poder expressar como gostaríamos neste momento, em que a pandemia nos impõe contenção, mas encontraremos, uma vez passada esta situação, a devida forma de prestar homenagem àquele que era seguramente um dos mais queridos de todos nós”, disse Costa.

“Uma força da democracia”

O presidente da Assembleia da República e ex-líder socialista também se mostrou chocado e muito triste com a morte do amigo e camarada Jorge Coelho, ex-ministro, deputado e dirigente também do PS. “Recebo, com choque e muita tristeza, a notícia do falecimento de Jorge Coelho, um amigo de há longas décadas. Homem bom e solidário, foi sempre alguém que se bateu por causas, em especial pela democracia e pela igualdade. Foi também um sobrevivente, com quem aprendi a enfrentar as adversidades”, disse Ferro Rodrigues numa nota enviada à agência Lusa. À SIC Notícias Ferro Rodrigues lembrou Jorge Coelho como “uma força da democracia, do PS, de jovialidade, de simpatia, de bom trato, de engraça” e como “uma máquina política” e um “grande sportinguista”.

O ministro da Administração Interna destacou a “extraordinária dedicação ao serviço público e à democracia”, durante décadas, de Jorge Coelho e recordou a passagem pelo ministério. “Foi com profunda tristeza que tomei conhecimento do falecimento do dr. Jorge Coelho, distinto governante português nos XIII e XIV governos constitucionais e, designadamente, ministro da Administração Interna entre 25 de Novembro de 1997 e 25 de Outubro de 1999”, refere Eduardo Cabrita, numa nota de pesar enviada à agência Lusa. Cabrita presta ainda “uma sentida homenagem ao homem que, durante décadas, serviu Portugal e os portugueses, com uma extraordinária dedicação ao serviço público e à democracia”.

O antigo líder do PSD Luís Marques Mendes afirmou, em directo na SIC, que a notícia é um “choque brutal” e deixou uma palavra de homenagem ao ex-ministro. “Recordo-me dele como um político carismático, corajoso, determinado, convicto e cheio de carisma. Elogio-o agora, como já fiz em vida. Quando caiu a ponte, teve atitude politicamente notável: não se agarrou ao lugar, assumiu responsabilidades, mesmo quando não tinha culpa nenhuma. Deixo uma nota mais pessoal: ele sucedeu-me a mim no fim de 1995 como ministro com a tutela da comunicação social. Poucos meses depois, quis associar-me ao último passo de criação da RTP Internacional, que já foi ele a concretizar, mas fui eu a lançar. Não é normal as pessoas de partidos e governos diferentes terem esta nobreza de carácter”, reiterou.

Foto
Jorge Coelho ocupou várias pastas em governos de António Guterres DANIEL ROCHA

Por sua vez, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, recordou Jorge Coelho como “um amigo queridíssimo” que o acompanhou em “momentos decisivos” da sua vida. “É um homem perante o qual eu tenho uma dívida de gratidão que jamais poderia pagar”, disse, acrescentando que Jorge Coelho era a “personificação da vida”.

“Saber que ele morreu é algo que eu nem sequer consigo aceitar”, afirmou António Guterres, destacando “a sua enorme dedicação à causa pública”, ideais e inteligência. “É uma grande perda para o país, mas é, sobretudo, uma grande perda para os amigos”, declarou o secretário-geral da ONU, sublinhando que Jorge Coelho foi o seu “braço direito” na organização do Partido Socialista, das campanhas eleitorais e “num percurso que levou o PS ao governo”.

Sobre a demissão após o acidente na ponte de Entre-os-Rios Guterres realça que Jorge Coelho “não tinha culpa nenhuma pelo que se tinha passado”, mas decidiu abandonar o cargo, “o que só prova a extraordinária dignidade que tinha”.

O presidente do PSD, Rui Rio, recordou o antigo ministro como uma “pessoa afável e de excelente trato”, lamentando “profundamente” a sua morte. “Lamento profundamente o súbito desaparecimento de Jorge Coelho, pessoa afável e de excelente trato, com quem tinha uma agradável relação pessoal. Presto-lhe sentida homenagem e envio as minhas condolências à sua família e ao Partido Socialista”, escreveu Rui Rio no Twitter.

A ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, também lamentou a morte de Jorge Coelho, “uma figura incontornável da política nacional” que em todas as áreas da sua vida mostrou “enorme dedicação e um espírito combativo ímpar”.

Na perspectiva da ministra, “Jorge Coelho é uma figura incontornável da política nacional” e teve ainda “uma carreira ligada igualmente à administração pública”, destacando-se também “como dirigente partidário, analista político e empresário, demonstrando sempre, em todas as esferas da sua vida, grande entusiasmo, enorme dedicação e um espírito combativo ímpar”.

O presidente do CDS-PP lamentou a “triste notícia”. Francisco Rodrigues dos Santos destaca que “Jorge Coelho foi um político de grande relevo na vida do país, ao qual se entregou no exercício das mais altas funções do Estado, com seriedade, visão e sentido de compromisso”.

Foto
Jantar do PS em 2014

O presidente do PS, Carlos César, também lamentou a “terrível, inesperada e desanimadora notícia”, elogiando a frontalidade, clareza, argúcia, labor, empreendedorismo e bondade do socialista.

“Fica a faltar mais um amigo – um amigo desde que o conheci. Um camarada, nos sucessos e nos insucessos políticos e partidários”, referiu Carlos César, numa publicação na rede social Facebook, na qual partilhou o vídeo com a declaração do secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, a propósito da morte de Jorge Coelho.

O presidente do PS elogiou Jorge Coelho por ser um “conselheiro prestante” e “uma fonte de energia, donde brotou muito do que o PS, a política e as pessoas podem ter de bom”, ou seja, frontalidade, clareza, argúcia, labor, empreendedorismo e bondade. “Lembro como, em 1996, ele me acompanhou diariamente na campanha que acabou por dar a primeira vitória regional de sempre nos Açores. E, antes como depois, o seu apoio valioso e fraterno. Fazes falta, meu caro amigo. À tua família. Aos teus amigos. A todos nós”, concluiu.

“Não encontrei nada parecido na minha vida política”

O ex-secretário-geral do PS António José Seguro definiu o antigo dirigente socialista como “um amigo muito querido”, com carácter “lutador” e entusiasmo “contagiante”, com quem partilhou ideais e lutou “lado a lado” por causas. “É muito difícil acreditar que o Jorge Coelho morreu. As palavras atropelam-se neste buraco negro e gelado em que, de repente, caímos, atravessados pela dor da perda brutal”, começa por referir António José Seguro na mensagem que enviou à agência Lusa.

Para o anterior secretário-geral do PS, Jorge Coelho “era dotado de um carácter lutador e de um entusiasmo contagiante que marcou todas as funções partidárias e públicas que exerceu”. “O seu gesto no fatídico Março de 2001 mostrou publicamente a fibra de que era feito o Jorge Coelho. De repente, tudo é tão pouco. Fazes-nos falta, Jorge”, observou António José Seguro, depois de fazer alusão à decisão de Jorge Coelho de se demitir das funções de ministro do segundo executivo de António Guterres, em 2001, na sequência da tragédia da queda da ponte de Entre-os-Rios.

Foto
Jorge Coelho e António Vitorino

Maria de Belém, ex-ministra da Saúde e ex-presidente do PS, disse, em directo na SIC Notícias, estar “devastada com a notícia trágica e horrível para todos os amigos e família”.

“Jorge Coelho era um líder excepcional e eu conheci-o no primeiro Governo de António Guterres e a partir daí mantivemos uma amizade sólida, porque ele era uma pessoal extraordinariamente bem formada, amiga dos seus amigos, que teve aquela atitude quando foi do acidente da ponte de Entre-os-Rios que marcou aquilo que deve ser feito em política. Era uma pessoal excepcional, com amigos em todos os quadrantes partidários. Era de uma devoção extraordinária às causas em que acreditava e investiu imenso na correcção das assimetrias do nosso país. Vai fazer uma enorme falta, porque sabia bem identificar aquilo que eram as prioridades políticas para além da espuma dos dias”, referiu.

O antigo dirigente do CDS-PP António Lobo Xavier, que falava ao mesmo canal, também se mostrou “chocado e comovido” e recorda Jorge Coelho pela “alegria, boa disposição e pela faceta de coração leal”. “Fui apanhado pela notícia na viagem para gravar o programa que fizemos tantos anos. E tinha falado com ele às 13h30 e pareceu-me bastante bem. Combinámos diversões entre amigos, almoços, proximamente, com o elenco da Quadratura [do Círculo]. Estava longe de imaginar que umas horas depois teria acontecido esta tragédia.”

Lobo Xavier disse que também teve oportunidade de contactar com o antigo ministro em “funções empresariais” e na vida política. “Havia respeito, fidelidade e esse tipo de relação pessoal que eu diria até é quase única. Não encontrei nada parecido na minha vida política.”

Fernando Esteves, autor do livro Jorge Coelho – O Todo-Poderoso (2014), disse ao PÚBLICO que Jorge Coelho era uma “pessoa livre que prezava muito a democracia”.

“Quando lhe disse que queria fazer o livro, encontrámo-nos num restaurante. Comuniquei que decidi fazer o livro: ‘Uma biografia independente sobre si. Queria-lhe perguntar se o farei consigo ou sem.’ Ele disse: ‘Obviamente que não quero ter controlo nenhum sobre o conteúdo, escreve o que quer e cá estarei para colaborar consigo.’ Fiz cerca de 70 entrevistas, desde amigos a inimigos, fiz-lhe dezenas de entrevistas presenciais e ele nem por um instante tentou interferir. Nunca disse a ninguém para não falar comigo, nunca instruiu ninguém. Ele era fundamentalmente uma pessoa livre, que prezava muita a democracia. Foi a primeira pessoa a ler o livro e percebi que ficou um bocadinho triste com algumas passagens. Telefonou-me no dia a seguir e disse-me que o livro não era uma apologia, mas um livro real e honesto. Foi o melhor elogio.”

“Era suposto almoçarmos esta semana”

José Pacheco Pereira, que participou no programa Circulatura do Quadrado com Jorge Coelho, referiu, na TVI, que “era suposto” almoçarem “esta semana todos”. “O Jorge Coelho era uma pessoa amável e que se tornava amigo das pessoas com quem contactava, um amigo verdadeiro sem qualquer troca ou esperança de poder receber benefícios.” Pacheco Pereira recordou um dos momento mais difíceis vivido entre os dois: a altura em que criticou o ex-político quando este saiu do programa para se dedicar à actividade empresarial.

Já o director-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM), António Vitorino, manifestou-se “profundamente chocado e devastado” com a morte do “grande, grande amigo” Jorge Coelho, “um ser humano admirável”. “Genuíno, autêntico, convicto, mas ao mesmo tempo uma pessoa de uma enorme afabilidade pessoal e que deu o melhor de si próprio ao Partido Socialista e à causa pública nos vários cargos que desempenhou. Esta notícia deixou-me completamente devastado”, declarou Vitorino à Lusa.

O presidente da Câmara Municipal de Mangualde, concelho da origem de Jorge Coelho, lamentou a perda “da maior referência na região” não só em termos políticos, como empresariais. Elísio Oliveira destacou à agência Lusa o investimento que Jorge Coelho “fez na sua terra, numa queijaria”, numa “lógica emotiva” que suplanta a empresarial, “de amor à terra” e que “exprime um profundo sentimento telúrico”, homenageando o seu avô e o pastoreio.

Foto

A Mota-Engil recordou o vice-presidente do seu conselho da administração Jorge Coelho, que morreu aos 66 anos, como um “profissional de excelência, líder empresarial” e agregador de vontades. Em comunicado, o conselho de administração da Mota-Engil afirma que “eram públicas e reconhecidas as suas qualidades como homem de carácter e convicções e enormes as qualidades como profissional de excelência, líder empresarial, agregador de vontades, e o seu percurso ficará para sempre ligado ao grupo [Mota-Engil]”, divulgou, em comunicado, a Mota-Engil.

Também o Sporting manifestou o “pesar” pela morte do ex-governante, “enaltecendo e agradecendo os anos de dedicação e devoção ao clube”, do qual era sócio desde 1987.