Agrocapitalismo de estufa

No dia em que corrigíssemos Odemira, este mesmo capitalismo levaria tudo isto para outro lado, com outras vítimas. É o que tem feito há gerações.

É revelador como emergem os problemas no debate público. Sobre Odemira, demorou-se a passar da cerca sanitária imposta às freguesias onde trabalham e vivem imigrantes para a perceção de um agrocapitalismo de estufa feito de abuso laboral generalizado e de ilegalidade descarada (salários, alojamentos, sequestro de documentos). O escândalo abriu um pequeno espaço para que, finalmente, se ouvissem as soluções propostas há muito por associações, sindicatos, partidos de esquerda, investigadores sociais: legalização de imigrantes, alojamentos condignos, eventualmente acordos com os países de origem. Até ao dia em que a CAP e a ministra da Agricultura vierem advertir que, se adotadas, elas poriam em causa a competitividade, ou que a UE avise que Portugal não pode avançar com legalizações que ponham em causa a segurança europeia...

Sugerir correcção
Ler 7 comentários