Alunos impedidos por pais de ir a aulas de Cidadania chumbam: “Crianças estão no centro de uma guerra”

Director do agrupamento de Escolas considera que se deve deixar “as entidades competentes” resolver “o assunto naquilo que é o melhor para as crianças”.

Foto
Rui Oliveira

Neste ano lectivo, e depois de os pais dos dois alunos de Famalicão terem voltado a não permitir que os filhos frequentassem a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, os jovens não transitaram e os pais apresentaram novamente uma providência cautelar para impedir que os filhos sejam retidos. “As crianças estão no centro de uma guerra e estão a ser prejudicadas”, diz Olívia Carvalho, co-coordenadora do curso de pós-graduação de direitos das crianças e responsabilidades parentais da Universidade Portucalense e juiz social no Tribunal de Família e Menores do Porto.