No Vale do Tua, mais vale não pestanejar

Entre aves e estrelas, o céu do Parque Natural Regional Vale do Tua tem todo um mundo lá dentro. Mas não vale ganhar asas: há 12 percursos pedestres para calcorrear.

braganca,fugas,verao,turismo,ambiente,astronomia,
Fotogaleria
Amanda Ribeiro
braganca,fugas,verao,turismo,ambiente,astronomia,
Fotogaleria
Miguel Claro

A porta do carro bate com meiguice e Dinis Cortes pega no caderno de argolas que o ampara desde manhã. Tordo, águia-calçada, pisco-de-peito-ruivo, chapim-azul – nele anotou todas as 30 espécies que observou num par de horas na praia fluvial de Frechas, em Mirandela, onde o Tua abraça as ruínas de uma azenha e magnetiza os pássaros que tanto gostam da cascalheira a descoberto. Agora, já em Vila Flor, junto à barragem do Peneireiro, continuamos a tentar dar nome ao que vemos, mas sobretudo ao que escutamos. Começa numa nova lição: “observação auditiva”, chama-lhe o guia, birdwatcher desde sempre, de ouvido escancarado para o céu. Muitos pios, imensos chilreares, todos diferentes, todos iguais. “Ouvem este? Parece o som de vidros a partirem-se.” É verdade. Saca do caderno, pega na caneta num desfecho quase solene. “Milheirinho.” Mais um para a lista.