Rúben Semedo detido na Grécia por alegada violação

O jogador do Olympiacos nega a acusação, num caso que envolve um outro homem. “Forçou-me a ter relações”, denunciou a jovem de 17 anos, no depoimento às autoridades.

Foto
Rúben Semedo no momento da detenção, nesta segunda-feira Reuters/COSTAS BALTAS

O internacional português Rúben Semedo, actualmente a jogar pelo Olympiacos, foi detido na Grécia esta segunda-feira por, alegadamente, ter violado uma menor de 17 anos, avança a imprensa local. A denúncia contra o central português foi feita no domingo e este deverá ser presente a um juiz na terça-feira, segundo o jornal grego Ekathimerini.

A jovem apresentou-se na esquadra, acompanhada pela mãe, para fazer a denúncia, acusando o jogador de a embebedar com intenção de a violar. De acordo com o site grego real.gr, a vítima afirmou no depoimento que conheceu o jogador de 27 anos num bar de Oropos, no sábado, e que este a terá levado para o seu apartamento, onde terá sido violada.

Devido à gravidade do caso, o Departamento de Protecção Juvenil de Ática deteve o jogador no domingo à noite. “Um estrangeiro acusado de violar uma menor foi preso ontem à noite (29-8-2021), como parte do procedimento oficial feito por agentes da Subdirecção de Protecção Juvenil da Direcção de Segurança de Ática. O co-acusado do mesmo crime é outro estrangeiro. A pessoa detida já conhece o processo contra ela e será encaminhada ao Procurador do Ministério Público de Atenas para ficar a conhecer as respectivas medidas de coacção”, lê-se no relatório divulgado pelas autoridades helénicas.

"Tinha consumido muito álcool"

Entretanto, o jornal grego Dikastikoreportaz deu conta do depoimento que a alegada vítima fez às autoridades locais, referindo que estaria inconsciente devido ao consumo excessivo de álcool. A jovem estaria a dormir em casa de Rúben Semedo, em Glyfada, tendo reportado supostos abusos de dois homens, o nigeriano Jeff Ogoutsuko e o jogador português. 

Na sequência de um testemunho de várias horas, no domingo, no tribunal de protecção de menores e na presença de um psicólogo, a queixosa descreveu que na noite de sexta-feira estaria a divertir-se com uma amiga num bar, em Glyfada, e mais tarde em Oropos, também na companhia de Semedo e Ogoutsuko. Posteriormente, na madrugada de sábado, ter-se-ão dirigido para casa do português.

“Como tinha consumido muito álcool, fui para um dos quartos da casa e adormeci. Pouco depois, o segundo acusado (Ogoutsuko) entrou e, aproveitando-se da minha situação, obrigou-me a ter relações sexuais... Pouco depois de ele sair, Semedo entrou na mesma divisão e, depois de trancar a porta, forçou-me a ter relações...”, terá contado, numa versão corroborada pela amiga, de 16 anos, também presente na casa. 

O rápido desenvolvimento do caso terá sido ditado pela decisão da alegada vítima de confessar o sucedido à mãe, que tomou a iniciativa de reportar o caso às autoridades. Pouco depois, foram determinados exames forenses, testes toxicológicos e de ADN, tendo o telemóvel da jovem sido apreendido.

Foto

"O meu cliente nega a acusação"

Jeff Ogoutsuko apresentou-se entretanto às autoridades, na madrugada desta segunda-feira, tendo, segundo o Dikastikoreportaz, admitido uma relação com a queixosa, mas alegando que com total consentimento. O mesmo argumento terá usado Rúben Semedo, que entretanto já se pronunciou, através do advogado. 

“O meu cliente nega a acusação, lamentando o facto de ter sido exposto e de ter dado uma declaração à força. Quando acusamos alguém, deveria ser algo com suporte em algum comportamento. Há provas sólidas que impedem a acusação”, assinalou o advogado de Rúben Semedo, Stavros Georgopoulos, em declarações à saída do Ministério Público de Evelpidon, em Atenas, acrescentando que a jovem terá dito ao jogador que tinha 19 anos. “Eles estiveram juntos durante 15 horas. É inconcebível que ele seja acusado disso”.

Em Fevereiro de 2018, Rúben Semedo cumpriu vários meses de prisão preventiva, em Espanha, por tentativa de homicídio e outros crimes. Agora, volta a estar envolvido num problema judicial, sendo que o Olympiacos já se pronunciou, adoptando um discurso cauteloso.

“O Olympiacos respeita plena e indiscriminadamente a presunção de inocência de cada acusado, o que inclui o direito de contestar a acusação. Enquanto o processo penal relativo ao futebolista Ruben Semedo estiver pendente, [o clube] não tomará qualquer posição”, pode ler-se.