Pedro Lavia: Zoomarine, o “sonho” concretizado faz 30 anos

Começou por construir carrocéis até que, em 1969, uma feira internacional levou um casal de golfinhos a Buenos Aires. Foi o começo de uma história inseparável com os mamíferos marinhos, que o trouxe a Portugal para concretizar um sonho: construir o seu próprio parque. O Zoomarine faz 30 anos.

criancas,albufeira,fugas,verao,algarve,argentina,
Fotogaleria
Pedro Lavia veio para Portugal para concretizar um sonho: abrir um parque temático com golfinhos Nuno Ferreira Santos
criancas,albufeira,fugas,verao,algarve,argentina,
Fotogaleria
Desde 1969 que o argentino trabalha com estes mamíferos marinhos Nuno Ferreira Santos
criancas,albufeira,fugas,verao,algarve,argentina,
Fotogaleria
Em 1988, inaugurou o Delfinário do Jardim Zoológico de Lisboa Nuno Ferreira Santos
criancas,albufeira,fugas,verao,algarve,argentina,
Fotogaleria
Foi a primeira vez que houve um espectáculo com golfinhos no país Nuno Ferreira Santos
Mamífero marinho
Fotogaleria
Em 1991, nasceu o Zoomarine, no Algarve Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
No primeiro ano, eram apenas sete hectares com edifício de entrada, delfinário, restaurante, palco das araras e das focas Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Na sala de reuniões, exibem-se fotografias aéreas da evolução do parque (aqui, 1992, ano em que foi inaugurada a primeira piscina) Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Estátua comemorativa do 25.º aniversário, com Pedro Lavia e Sam, o golfinho que o acompanhou grande parte da carreira Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Hoje em dia, o Zoomarine não é apenas um zoológico, mas também um parque aquático e espaço de diversões Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
No terreno, preservam-se algumas oliveiras milenares originais Nuno Ferreira Santos

Aos 80 anos, Pedro Lavia continua a vir ao Zoomarine todos os dias. “Às 9h, estou cá.” A única excepção é o domingo, dia da missa, a que não falta. “Que vou fazer? Não jogo golfe. Jogava squash mas o cardiologista proibiu-me”, atira já no final da visita que insiste em guiar por algumas zonas do parque, depois da entrevista, à qual vai juntando mais um recanto e outro, enquanto cumprimenta todos os funcionários com quem nos vamos cruzando, muitos pelo nome. “Isto não é um trabalho, é um prazer.” Quando, há dois anos, foi inaugurado o Rio dos Côcos, uma das atracções mais recentes do Zoomarine, Pedro foi um dos primeiros a sentar numa das bóias que flutuam ao longo dos 400 metros do “rio” lento e serpenteado, o maior do género na Europa. “Claro que tinha de experimentar.”