Koeman pede apoio para reconstruir o FC Barcelona

Treinador da equipa catalã leu comunicado em que reforçou a entrevista à Voetbal International, onde destacou o peso da saída de Messi na revelação dos problemas que o argentino ajudava a disfarçar.

Foto
EPA/Enric Fontcuberta

O treinador do FC Barcelona, Ronald Koeman, converteu, esta quarta-feira, a habitual conferência de antevisão ao encontro com o Cádiz, da 7.ª jornada da La Liga, num comunicado que o próprio holandês leu, não respondendo depois a questões dos Media espanhóis.

Koeman havia considerado, numa entrevista publicada esta quarta-feira pela revista Voetbal International, dos Países Baixos, que a saída do argentino Lionel Messi expôs os problemas que já existiam no clube.

“Lionel Messi escondeu tudo. Ele fazia a diferença. Graças a ele, todos os jogadores pareciam melhores. São bons jogadores, mas com Messi pareciam melhores. A sua saída acabou por destapar os problemas da equipa. Esta não é uma crítica, é uma observação”, afirmou Ronald Koeman.

No comunicado, que o treinador da formação catalã assumiu como exclusivamente seu, apesar de ter dado conhecimento aos jogadores, Koeman sublinhou ter o “apoio do clube num momento de reconstrução”, enfatizando que a “situação financeira está ligada ao plano desportivo”, assumindo que tem de refazer uma equipa sem grandes investimentos”, uma ideia partilhada na entrevista à Voetbal International.

​"Não leio as críticas. Claro que também acho que perder contra o Bayern daquela forma não é muito bom. Mas, é preciso olhar para a realidade de uma forma sóbria. Sabia que a situação financeira do clube não era boa, mas não sabia que era tão má. O novo presidente, Joan Laporta, ficou tão surpreendido quanto eu”, disse o técnico holandês de 58 anos, que passou pelo Benfica em 2005/06.

De volta ao comunicado, Koeman vincou que é “preciso tempo” e que “os jovens podem tornar-se grandes”, como Xavi e Iniesta, pedindo paciência.

O treinador holandês lembrou que na Champions não se pode esperar milagres e pediu apoio à equipa, através de palavras e actos”.

Sem o avançado argentino, o FC Barcelona, próximo adversário do Benfica na Liga dos Campeões, está a ter um início de época bastante conturbado, ocupando o oitavo lugar do campeonato espanhol e tendo sofrido uma derrota caseira por 3-0 com o Bayern Munique no arranque da Champions.

Mesmo assim, Koeman negou à Voetbal International arrependimento por ter deixado o comando da selecção dos Países Baixos antes do Euro 2020 para ingressar no FC Barcelona e classificou de “normal” os rumores que apontam a sua saída do clube.

“Quando se está no FC Barcelona, é obrigatório ganhar. Não temos ganho muitos jogos, por isso é normal. Estou cá para ganhar, é só isso que tenho que fazer”, concluiu o antigo defesa central.