Este livro afrontou o regime — e continua a ser uma arma (e um abraço)

Em 1971, nascia a obra Novas Cartas Portuguesas, na qual as “três Marias” reivindicavam o direito da mulher a ter corpo e pensamento. As autoras foram julgadas, o livro destruído, mas além-fronteiras foi considerada a primeira causa feminista internacional. Cinquenta anos depois, o livro ainda agita a vida das jovens – é uma companhia de cabeceira, uma ponte com as avós ou uma “lição para o activismo” que aí vem. E, principalmente, mostra o que ainda pode nascer do diálogo entre mulheres.

maria-velho-costa,feminismo,maria-teresa-horta,entrevista,literatura,livros,
Fotogaleria
Ana Cunha Adriano Miranda
maria-velho-costa,feminismo,maria-teresa-horta,entrevista,literatura,livros,
Fotogaleria
Teresa Coutinho Rui Gaudêncio
maria-velho-costa,feminismo,maria-teresa-horta,entrevista,literatura,livros,
Fotogaleria
Íris Cabaça Nuno Ferreira Santos
maria-velho-costa,feminismo,maria-teresa-horta,entrevista,literatura,livros,
Fotogaleria
João Miguel Nuno Ferreira Santos

“Quando o burguês se revolta contra o rei, ou quando o colono se revolta contra o império, é apenas um chefe ou um governo que eles atacam (...) Se a mulher se revolta contra o homem, nada fica intacto.” Esta é uma das muitas passagens que estão assinaladas, com post-it ou notas de cabeçalho, no exemplar que Ana Cunha guarda de Novas Cartas Portuguesas.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários