Dos 7 aos 77 anos

A exposição Hergé tem, claramente, um propósito: oferecer um retrato elegante e pacificado de Georges Prosper Remi (1907-1983).

bd,museus,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
ipsilon,herge,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria
bd,museus,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
bd,museus,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
bd,museus,critica,exposicao,artes,culturaipsilon,
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Hergé é uma exposição suave, quase hagiográfica, que tem, claramente, um propósito: oferecer um retrato elegante e pacificado de Georges Prosper Remi (1907-1983). Foi concebida para afirmar o autor na História da cultura e da banda desenhada e, portanto, confirmar impressões, gostos, percepções, memórias. Esta facto nada tem de peculiar, se se tiver em conta a natureza da instituição que a organizou originalmente.  O Museu Hergé de Louvain-la-Neuve não tem, para já, como estratégia museográfica e museológica um trabalho de problematização das obras e da biografia de Hergé.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários