O mundo numa relação abusiva com a política e a finança

É importante ter noção que sem uma revolta global contra este estado de coisas os políticos não serão levados a agir, mesmo quando estamos à beira de uma crise e precisaremos de muito dinheiro para a evitar.

Quando no ano de 2016 foram revelados os Panama Papers, uma fuga de informações gigantesca de cerca de 2,6 terabytes de dados de clientes da empresa panamiana Mossack Fonseca, que escondia as fortunas de bilionários e líderes políticos de todo o mundo, a primeira sensação foi a de que finalmente tinha vindo à tona de água o que muitos suspeitávamos ocultar-se nas profundezas. Afinal, há dinheiro no mundo para aquilo de que precisamos: as nossas escolas, os nossos hospitais, os nossos planos de descarbonização, até a possibilidade de um rendimento básico incondicional que erradique a pobreza das nossas sociedades. O dinheiro existe, mas está escondido e foge a ser tributado. Certamente a confirmação desta realidade ajudaria a mudar alguma coisa?