É possível o luxo ser sustentável? A Joalharia Leitão & Irmão diz que sim

Com quase 200 anos de existência, a histórica ourivesaria portuguesa procura reiventar-se respondendo às preocupações ambientais da actualidade.

Foto
A nova colecção apresenta jóias feitas com ouro, plata e platina certificados com o selo Chain of Custody e Responsible Jewellery Council. Nuno Ferreira Santos

É entre a azáfama do Largo do Chiado que se mantém firme a casa Leitão & Irmão, uma das joalharias mais antigas do país, cuja história remonta a 1822, quando o primeiro fundador, José Pinto Leitão, termina o curso de ourives do ouro e abre a sua primeira loja-oficina na Rua das Flores, no Porto. É por volta de 1870 que Lisboa aparece no mapa desta casa que celebra, no próximo ano, o bicentenário e quer manter-se actual. Agora, a aposta é na sustentabilidade. 

Foto
Ao lado da Igreja de Nossa Senhora do Loreto dos Italianos, é no nº17 que se localiza a ourivesaria histórica. Nuno Ferreira Santos

Jorge Van Zeller Leitão, 63 anos, é o sexto herdeiro da casa, um número a que chegou contando pelos dedos, para ter a certeza: “Deixe-me ver... Então, primeiro tivemos o José Trindade [um comerciante de ouro, sogro de Pinto Leitão], depois o José Pinto [o fundador da casa], o Narciso [o filho, que dá o nome à loja-oficina que permanece até hoje], o Jaime, o Manuel e eu, sim, sou o sexto.” 

As instalações do Chiado ainda cheiram a novas, depois das remodelações feitas em meados de 2020 devido a um incêndio que deixou a loja em escombros. As cores simbólicas, o amarelo e o cinzento, mantiveram-se, mas o espaço ficou mais “airoso, actual”, descreve o empresário, que fez questão de introduzir, desta vez, uma parte do chão em calçada portuguesa. “Fazia parte de um grande sonho”, conta ao PÚBLICO.

O sexto herdeiro e representante da casa Leitão & Irmão, Jorge Van Zeller Leitão. Nuno Ferreira Santos
As instalações renovadas da loja do Chiado. Nuno Ferreira Santos
As instalações renovadas da loja do Chiado. Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Mas a grande novidade é a colecção que se figura na montra, sob o mote da sustentabilidade, embora este seja um conceito bastante familiar ao ofício, salvaguarda Jorge Leitão. “A reciclagem sempre se praticou na joalharia”, contextualiza. E dá um exemplo: “Para fazermos uma peça como um anel, com cinco gramas de ouro, precisamos de cerca de 15 gramas no total. Entre o que se lima, o que se pole e o que se corta, as outras dez são aproveitadas, derretidas e servem para fazer outra peça. Portanto tudo é recuperado e posto na cadeia produtiva.” Mais: a maioria dos metais comprados é reciclada.

A montra com a nova coleção de peças de luxo sustentáveis. Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

No entanto, entre as jóias da actual colecção — que está na montra — e as restantes é o facto de as primeiras serem feitas com metais preciosos (ouro, prata e platina) certificados com o selo Chain of Custody (CoC), que certifica fornecedores acreditados pela Responsible Jewellery Council (RJC), o principal organismo mundial que assegura que todo o processo, desde o momento da extracção até à venda do produto final, tem como base as melhores práticas possíveis. “Ou seja, isto significa que sabemos o caminho da matéria-prima desde a mina até à manufactura e que esta vem de zonas sem conflitos, sem lavagem de dinheiro, sem exploração infantil e que parte significativa da riqueza dessas pedras seja empregue dentro desse país para benefício local”, explica Jorge Leitão.

Para o representante da marca — que acredita que a tendência não é simplesmente uma moda, mas sim “o mode, o novo normal” e veio para ficar —, são os clientes estrangeiros os que demonstram uma maior preocupação com a causa ambiental e a sustentabilidade. Quanto aos portugueses, ainda estão a dar os primeiros passos. “Falou-se muito dos diamantes de sangue e das esmeraldas da Colômbia apanhadas por crianças, portanto acho que esta é uma preocupação que já vem de há algum tempo e precisa de ser mais divulgada.” 

Com preços a começarem na casa dos mil euros, as jóias apresentadas não têm um custo muito diferente do das restantes, que ainda não obedecem aos critérios sustentáveis. “Teoricamente a matéria-prima CoC é mais cara, mas é apenas teoricamente”, diz. Para além da loja do Chiado, a colecção está também disponível nas lojas do Bairro Alto, em Lisboa, e na do Estoril.

À frente da casa emblemática que, durante quase dois séculos de existência, ultrapassou momentos de crise — os mais recentes foram o incêndio, em Lisboa, e a pandemia —, Jorge Leitão garante que o segredo para o sucesso é estar “um bocadinho à frente e procurar o que há de novo”. O maior desafio é sempre o dia de amanhã, “que até hoje já chegámos”. 


Texto editado por Bárbara Wong