Mafalda Pratas: PSD podia fazer diferente “com uma aliança com Marcelo”

A politóloga diz que “não será impossível vermos a repetição de um episódio semelhante à aliança entre Jorge Sampaio e o Partido Socialista para derrubar e substituir o então Governo de direita”.

Foto
LUSA/JOSÉ COELHO

Podemos falar em princípio do fim do ciclo do PS no Governo ou é prematuro?
Apesar dos maus resultados eleitorais nas últimas eleições autárquicas, é ainda prematuro falar em princípio do fim do ciclo socialista no Governo. Acima de tudo, as autárquicas mostraram que, em democracia, há espaço para o imprevisto e para mudanças rápidas que, pouco tempo antes, nenhum analista ou actor político antecipava. Todavia, os indicadores de opinião pública de que dispomos não mostram a viabilidade de uma alternativa governativa ao Partido Socialista, uma vez que, em todas as sondagens, a direita totalmente combinada nunca obtém maioria. De momento, o fim da dinâmica parlamentar que tem sustentado o governo desde 2015 teria de passar por uma decisão do próprio Partido Socialista ou pelos partidos à sua esquerda. Existe, naturalmente, a possibilidade de o fim de ciclo ser precipitado de forma externa com uma potencial dissolução da Assembleia da República por Marcelo Rebelo de Sousa.