A família mais ácida da televisão está de volta: Succession, a “série sobre os últimos dias do capitalismo”

O elenco de Succession fala ao PÚBLICO da nova temporada e ajuda a perceber porque os espectadores adoram odiar os Roy e odeiam adorar os Roy. Terceira temporada estreia-se segunda-feira na HBO Portugal.

Foto

Está uma manhã de nevoeiro em Nova Iorque e o elenco de Succession, ou os membros da família Roy, tem vistas ligeiramente diferentes dos arranha-céus que amuralham o Central Park. Estão em quartos separados de um hotel de luxo a falar com jornalistas espalhados pelo mundo mas há temas que trespassam todas as conversas: Shakespeare, por exemplo, mas sobretudo como Succession, cuja terceira temporada se estreia segunda-feira na HBO Portugal, é uma série do seu tempo. “A Trump Tower está mesmo atrás de mim”, aponta Jeremy Strong — ou Kendall Roy. “Fizemos a primeira leitura do guião [da série] na noite em que ele foi eleito e não consigo evitar sentir que isso é uma corrente subterrânea de tudo o que fazemos.” A nova temporada de Succession é também uma das estreias mais aguardadas do ano.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários