Festival Outono em Jazz começa com o contrabaixo de André Carvalho

Este sábado, na Casa da Música, no Porto, entra em acção André Carvalho, seguindo-se João Pais Filipe com Burnt Friedman ou o septeto Omniae Ensemble de Pedro Melo Alves. O festival decorre até 23 de Outubro.

Foto
André Carvalho Vera Marmelo

É a nona edição, e tem início este sábado, com um concerto do contrabaixista André Carvalho. É o festival Outono em Jazz, da Casa da Música do Porto que, na edição de 2021, ainda com a pandemia a pairar, centra a sua atenção em algumas das aventuras mais estimulantes que vão acontecendo em Portugal nas fronteiras soltas da música jazz.

O festival acontece na altura em que o compositor e contrabaixista André Carvalho edita o quarto álbum, Lost In Translation, pela editora americana Outside in Music. Inspirado em palavras intraduzíveis, escreveu um novo ciclo de música inspirado em palavras de mais de 10 línguas, do sueco ao urdu. Neste projecto, juntam-se a Carvalho, o saxofonista José Soares e o guitarrista André Matos, músicos com os quais tem colaborado nos últimos anos e que o acompanham em palco.

Este domingo, dia 17, um outro encontro prometedor, entre a percussão e a bateria livre do português João Pais Filipe e o alemão Burnt Friedman, actualmente a residir em Portugal, um estudioso dos processos electrónicos e da percussão, com uma rica e vasta história atrás de si, por entre trabalhos a solo, colaborações e adopção de diversas nomenclaturas — Nonplace Urban Field, Flanger, Drome ou Some More Crime. Os dois já têm lançamentos em duo, mas é ao vivo que a sua música se expande até ao infinito.

A 19, entrará em cena o L.U.M.E., Lisbon Underground Music Ensemble, que irá apresentar novo álbum, e no dia seguinte, a 20, o septeto Omniae Ensemble, do compositor e baterista Pedro Melo Alves, que se expandirá para uma formação de 22 elementos, onde encontramos nomes da actual música improvisada, experimental e erudita, com direcção do maestro Pedro Carneiro. Com álbuns novos, pela Clean Feed, dos seus dois projectos principais (Omniae Ensemble e The Rite of Trio), tem-se distinguido pela composição heterodoxa e por uma diversidade de interesses que nunca lhe colhem o aprofundamento de linguagens.

Finalmente, a 22 e 23 de Outubro, as atenções estarão viradas para o baterista João Lencastre, em trio, com Drew Gress e Leo Genovese, e no dia seguinte, para uma dupla actuação, com colectivos distintos. Em palco estará o trio TGB, ou seja, os portugueses Sérgio Carolino (tuba), Mário Delgado (guitarra) e Alexandre Frazão (bateria), e o grupo brasileiro Banda Zil, que alia a música popular brasileira ao jazz, tendo lançado apenas um álbum nos anos 1980, e agora regressando à actividade. Nos seus planos, depois do Outono em Jazz, está a gravação de um álbum em Portugal.