Patricia Highsmith: intimidade com o assassino

Ao longo de mais de 60 anos, manteve um diário que não deixou ninguém ler. Quando morreu, em 1995, a sua editora encontrou 8 mil páginas que provam a forte ligação entre a mulher tortuosa e a escritora. São confissões acerca do mal, da identidade, de um impulso em direcção ao crime que a escrita concretizou, uma grande intimidade com o assassino. Quando passam cem anos do seu nascimento é a hora de Patricia Highsmith: her Diaries and Notebooks: 1941-1995. Por enquanto só em inglês.

Foto
Pool DENIZE/PELLETIER/Gamma-Rapho via Getty Images

No dia 8 Dezembro de 1948, Patricia Highsmith anotou a seguinte entrada no seu diário: “Foi este o dia em que vi a Sra. E. R. Senn? Como nos olhámos uma à outra — essa mulher de aspecto inteligente e atraente! Quero enviar-lhe um cartão de Natal e estou a planear o que vou escrever.” Nesse ano, Highsmith andava a ter duas sessões por semana no psicanalista. A depressão não a largava e queria casar com o escritor britânico Marc Brandel que conhecera em Yaddo, residência de artistas em Saratoga Springs, no Norte do estado de Nova Iorque. Aí, em Yaddo, foram tempos de uma descoberta voraz. Três semanas diferentes e depois o regresso à rotina da cidade. Ela conta. “A alma cobiça pela sua própria corrupção — depois de apenas uma semana. Desesperadamente, através do álcool, tenta restabelecer o contacto com o resto da humanidade. A solidão eterna e individual de cada um é uma silhueta acentuada contra os bosques de pinheiros verdes escuros onde parece que nenhuma figura humana alguma vez caminhou ou irá caminhar. E também existe o desejo nascido da solidão, de se misturar espiritualmente com todo o resto do mundo deste ano de 1948, que está agora esfomeado, a lutar, contorcendo-se em agonia de sede e feridas despidas, prostituindo-se, trapaceando, enganando, a desenvolver carícias privadas e secretas para a sarjeta fedorenta. Queremos isso, pois é também o nosso destino.”

Sugerir correcção
Ler 4 comentários