Dose de reforço contra covid-19 pode ser dada em simultâneo com a vacina da gripe. Pandemia com “intensidade reduzida” em Portugal

As principais notícias desta sexta-feira, 15 de Outubro, sobre a pandemia de covid-19.

Foto
O Centro Europeu de Controlo de Doenças alertou para o “risco real” de um aumento de casos de covid-19 e de altas taxas de mortalidade em populações não vacinadas da UE Rui Gaudencio

1. A Direcção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta terça-feira que a terceira dose da vacina contra a covid-19 vai poder ser administrada em simultâneo com a vacina da gripe a partir de segunda-feira. Quem não quiser ser vacinado no mesmo dia com os dois fármacos pode optar pela inoculação em jornadas diferentes, segundo a nota divulgada esta sexta-feira.

2. No relatório mais recente com a situação epidemiológica da pandemia no país, a DGS deu conta de 766 novos casos e sete mortes registadas na quinta-feira. Relativamente aos indicadores que definem a matriz de risco, Portugal está perto da zona “laranja”, com a subida do R(t) até 1, tanto a nível nacional como no continente. Já a incidência a 14 dias por 100 mil habitantes é agora de 84,2 casos de covid-19 a nível nacional e 84,4 no continente.

3. Segundo o relatório das “linhas vermelhas” divulgado esta sexta-feira pela DGS e pelo Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (INSA), observa-se no país uma "intensidade reduzida” da pandemia, apesar de uma “tendência crescente” da incidência nos idosos com 80 ou mais anos. Isto reflecte “um risco de infecção superior ao risco da população em geral”, de acordo com a análise de risco.

O relatório indica também que a mortalidade específica por covid-19 em Portugal está agora nos 9,2 óbitos a 14 dias por milhão de habitantes, um valor demonstrativo do “impacto reduzido da pandemia” neste indicador. O registo é inferior ao limiar de 20 mortes definido pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, sigla em inglês).

4. O mesmo centro alertou esta sexta-feira para o “risco real” de um aumento de casos de covid-19 e de altas taxas de mortalidade em populações não vacinadas da União Europeia, instando os países a fazerem esforços “urgentes” para convencer a população.

5. No Reino Unido, problemas num laboratório privado podem ter provocado 43 mil falsos negativos, segundo anunciaram esta sexta-feira as autoridades britânicas. Os resultados constavam dos testes analisados pelo Immensa Health Clinic Lab desde o princípio do mês de Setembro e o início desta semana.

6. A Casa Branca anunciou esta sexta-feira que os Estados Unidos vão abrir as suas fronteiras terrestres e aéreas a passageiros internacionais vacinados a partir de 8 de Novembro. As restrições de viagem estavam em vigor desde o início da pandemia, em 2020.

7. Uma sondagem da revista Nature mostra que os cientistas que comentaram com mais regularidade a pandemia foram alvos de ameaças, insultos e mensagens de ódio depois de falarem sobre a covid-19 nos media ou nas redes sociais. O PÚBLICO confirmou que o cenário também se verificou em Portugal.

8. Alguns países têm registado um aumento de casos e óbitos por covid-19. A Rússia comunicou esta sexta-feira recordes de contágios e mortes em 24 horas, com 999 óbitos e 32.196 infecções, segundo as autoridades russas.

Já em Espanha, a incidência acumulada a 14 dias aumentou esta sexta-feira pela primeira vez desde finais de Julho, tendo passado de 40,5 casos para 40,8 por 100 mil habitantes. O país registou 2248 casos e somou 57 mortes nas últimas 24 horas.

No Reino Unido, as mortes subiram 5,1% nos últimos sete dias, em comparação com os sete dias anteriores. Nas infecções detectadas, o registo subiu 11,5%. Esta sexta-feira, foram registadas em solo britânico 145 mortes por covid-19 e identificados 44.932 casos.