Morreu a pintora Armanda Passos

Artista nascida no Peso da Régua tinha 77 anos. O Museu do Douro dedicou-lhe um espaço próprio a celebrar a sua obra.

Foto
Armanda Passos MUSEU DO DOURO

A artista duriense Armanda Passos, cuja obra festeja com cores vivas e um traço muito reconhecível a figura da mulher e a sua relação com a natureza, e em particular com as aves, morreu na madrugada desta terça-feira, aos 77 anos, na sequência de uma doença que a afectava há meses.

Com casa e atelier no Porto, projectados pelo arquitecto Álvaro Siza, a artista viu a sua carreira e a sua obra celebradas nos últimos tempos, tanto nesta cidade como na sua região natal. O Museu do Douro, em Peso da Régua – cidade onde Armanda Passos nasceu a 17 de Fevereiro de 1944 –, abriu em Maio deste ano um espaço com o nome da artista, onde apresenta 83 obras da colecção que esta ofereceu à instituição: desenhos a tinta-da-china, óleos, guaches, gravuras e serigrafias. O Espaço Armanda Passos integra, assim, o circuito normal de visita deste museu, numa cidade que a homenageou também com a atribuição do seu nome ao passeio ribeirinho na margem direita do Douro. A autarquia do Peso da Régua, em articulação com a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) e a Associação dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), como lembrou esta terça-feira ao PÚBLICO o director do Museu do Douro, Fernando Seara, prevê a instalação nesse passeio de uma série de esculturas realizadas a partir de obras da pintora, e que ela própria ainda ajudou a seleccionar.

Foto
A obra de Armanda Passos celebra com cores muito vivas a mulher e os pássaros DR

Já a Universidade do Porto, no ano do seu centenário, em 2011, homenageou Armanda Passos com duas retrospectivas, Reservas e Obra Gráfica, e a publicação de um livro-catálogo, Armanda Passos Centenário U.P. – Uma Retrospectiva, com textos de José-Augusto França, Manuel Sobrinho Simões e Luís de Moura Sobral. Em 2015, a UP apresentou a exposição Armanda Passos – Blocos de Desenhos ESBAP. E assinalou também o 75.º aniversário da artista, em 2019, com uma nova exposição na sua galeria Casa Comum, Armanda Passos: 75 Anos, 75 Escritas. José Saramago, Urbano Tavares Rodrigues, António Alçada Baptista, David Mourão-Ferreira, Fernando Pernes, Eduardo Prado Coelho, Vasco Graça Moura, José-Augusto França, Raquel Henriques da Silva, Lídia Jorge e Mário Cláudio foram alguns dos autores que escreveram sobre a sua pintura.

Armanda Passos formou-se na antiga Escola Superior de Belas Artes do Porto (actual Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto), instituição onde depois leccionou Tecnologia da Gravura. Ao longo de uma carreira de mais de quatro décadas, viu a sua obra exposta em várias galerias, museus e instituições do país e também em bienais na Polónia e na Bélgica. Está igualmente representada em várias colecções privadas e públicas portuguesas.