A marmelada e os preconceitos que a afligem: uma experiência contrariada

Há um preconceito cultural: as coisas boas são aquelas que dão trabalho. Custam a arranjar ou custam a fazer. Ora a marmelada na Bimby não dá trabalho nenhum. Fica tão boa como uma marmelada tradicionalmente feita? Lamento dizer, mas sim.

Foto
André Rodrigues

Sempre fui um tradicionalista da marmelada. Gosto muito de fazê-la numa panela porque aprendi que o ponto do açúcar pode ser escolhido de forma a influenciar o sabor da marmelada. A melhor marmelada que já comi foi feita pela Maria João, com grande perigo de queimaduras de terceiro grau, quando deixou passar o ponto desejado - salvo erro, o ponto de estrada - e o açúcar queimou mais um bocadinho, dando uma amargura acaramelada e deliciosa à marmelada final.