Pelos corredores do passado com o Doclisboa

Quatro longas-metragens portuguesas em exibição no festival propõem viagens ao passado, mais recente ou mais remoto, e perguntam o que se faz a memórias que foram sendo esquecidas.

Foto
Nous sommes venus é um retrato da emigração portuguesa em que ecoam as actuais migrações oriundas de África e do Médio Oriente DR

É complicado – é mesmo muito complicado – organizar a grelha de um festival de cinema. É preciso jogar com múltiplas variáveis: salas, horários, disponibilidade e formato de cópias, presença de realizadores ou produtores, etc., etc., etc. Mas não nos lembramos de outro ano recente em que o calendário de um festival tenha jogado tanto contra a visibilidade da sua programação competitiva como a edição 2021 do Doclisboa: a quase totalidade da competição portuguesa e o grosso da competição internacional foram mostrados em dias praticamente consecutivos no primeiro fim-de-semana, dificultando o “boca-a-boca” que os festivais ajudam a gerar.