Laurel Halo: “Um amigo disse-me que gostava de fazer sexo com a minha música e para mim esse é o maior elogio”

A família das electrónicas não convencionais volta a reunir-se em Braga, no festival Semibreve, a partir desta quinta-feira, até domingo. Muita música para experimentar, como a de Laurel Halo, que a leva a pensar em neblina, engarrafamentos ou sexo.

Foto

No ano passado o festival Semibreve de Braga celebrou dez anos de existência. A pandemia fez com que a organização improvisasse, convidando alguns artistas para criarem peças sonoras especificamente para o Mosteiro de Tibães, registando as suas actuações para apresentação digital. Foi o caso da americana Laurel Halo, filmada nos claustros, expondo aí uma sonoridade electrónica serena e tangível.

Sugerir correcção
Comentar