Na Womex manda a informalidade, e as Sopa de Pedra já sabem disso

A noite de abertura desta gigantesca feira focada nas músicas do mundo fez-se ao som da reinvenção das tradições portuguesas, com os projectos Retimbrar, Sopa de Pedra, Seiva e Galandum Galundaina. E deu início a um enorme plataforma de encontros à margem do programa oficial.

Foto
As Sopa de Pedra encantaram o auditório da Casa da Música com o seu canto polifónico YANNIS PSATHAS

Não demora a perceber-se no contexto desta Womex – Worldwide Music Expo – que à 27.ª edição se estreia em território português que uma das grandes ideias desta feira com foco nas músicas do mundo é a criação de um contexto formal para encontros informais. Ou seja, percorre-se o espaço da Alfândega do Porto, onde está sediada a grande operação da Womex e onde decorrem as actividades “profissionais” (com centenas de stands de agências, promotores, gabinetes de exportação, editoras, festivais, etc.) e as conferências, e constata-se que pelo menos nas primeiras horas a agitação é escassa.

Sugerir correcção
Comentar