Música para ouvir a sós com Grouper

O novo álbum da americana Liz Harris, como Grouper, deixa espaços em aberto que cada um vai preenchendo, dependendo da paisagem exterior ou do mundo interior.

Foto
O novo álbum de Grouper é sobre a forma como nos enquadramos na paisagem e como ela nos envolve através das memórias dos lugares.

Quis o acaso que ouvíssemos, pela primeira vez Shade, o novo álbum de Liz Harris, ou seja Grouper, numa viagem de comboio. Como a maior parte dos restantes registos da compositora-cantora americana é uma daquelas obras que nos submerge, com invisíveis partículas acústicas ou ruídos abstractos parecendo flutuar, ao mesmo tempo que a reverberação e a voz nos transportam no tempo e no espaço, no que parece constituir um convite em aberto para que cada um se projecte na música. Onde estamos? Para onde vamos? Existe qualquer coisa de vago, como se a sua música fossem apenas indícios que cada um vai preenchendo, dependendo da paisagem exterior e do mundo interior.

Sugerir correcção
Comentar