A condição da pós-memória

13 ensaios e um prefácio que enquadra teoricamente perfis e heranças dos artistas da chamada “pós-memória”.

Foto
António Pinto Ribeiro é investigador do Centro de estudos Sociais de Coimbra, no projecto Memoirs — Filhos de Império de Pós-Memória Europeia Miguel Manso

Na conferência inaugural do fórum Estado do Mundo, em 2006, Homi Bhabha reafirmaria, segundo António Pinto Ribeiro, “uma premissa dos estudos póscoloniais, a saber, a importância da dimensão biográfica na constituição de um discurso e a importância política da biografia.” O percurso biográfico dos artistas de Novo Mundo: Arte Contemporânea no tempo da pós-memória recai nos critérios de escolha do autor, o programador António Pinto Ribeiro, assim como são relevantes a diversidade de géneros, a pertinência das obras “na atual paisagem afropolitana” e, ainda, o facto de serem artistas da “pós-memória”. Pós-memória será a condição de quem partilha experiências traumáticas não directamente vivenciadas, transmitidas em ambiente familiar de modo profundo.

Sugerir correcção
Comentar