Moda: em nome próprio

Ana Salazar e Luís Carvalho ditaram o traje para o encontro: usar peças suas. Seguiu-se um desfile com momentos icónicos do percurso de ambos.

Foto

Tantas vezes na moda se fala de arrojo, excentricidade, loucura. Ana Salazar ouviu esses clichés vezes sem conta, sem lhes dar importância. Agora, é fácil dizer que alguém está à frente do seu tempo, mas, naquele tempo, quando começou, num Portugal conservador, fechado e cinzento, sem liberdade, da fama de louca não se livrava. Lisboa não estava preparada, foi preciso desbravar caminho. “Antes da revolução [25 de Abril de 1974], a Maçã, a primeira loja, foi disruptiva, um marco histórico”, lembra. A loja ficava junto à Praça de Alvalade e vendia o que Ana seleccionava a dedo, em Londres. Depressa se tornou num vaivém de personalidades de diferentes áreas que procuravam peças únicas. Nada pensado, foi decidindo sem estratégias nem grandes planos.

Sugerir correcção
Comentar