Aos 460 mil seguidores, Johan Lolos fartou-se das paisagens do Instagram: só quer fotografar “histórias que importam”

As paisagens etéreas valeram-lhe milhares de seguidores e de clientes. Johan Lolos, @lebackpacker, ganhava a vida a viajar de país em país para fotografar belas panorâmicas, até se desencantar com o Instagram. Há três anos que tenta mudar o percurso profissional para viver da fotografia que o apaixona: documentário, histórias reais, vida selvagem. Mas não é fácil. O futuro? NFT.

,Fotografia
Fotogaleria
Johan Lolos decidiu que “já não ia perseguir as loucas localizações famosas do Instagram” DR
Parque Nacional Tongariro
Fotogaleria
Wanaka Johan Lolos
,Lago Wanaka
Fotogaleria
Wanaka Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Canadá Johan Lolos
,Livro
Fotogaleria
Livro "Picos da Europa" Johan Lolos
Non Ti Devo Niente
Fotogaleria
Pirenéus Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Samoa Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Birmânia Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Birmânia Johan Lolos
,Vachellia erioloba
Fotogaleria
Namíbia Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Namíbia Johan Lolos
,Gato grande
Fotogaleria
África do Sul Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Namíbia Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Haiti Johan Lolos
fugas,artes,instagram,ambiente,nova-zelandia,australia,
Fotogaleria
Haiti Johan Lolos

Foi no topo do Pico de Roy, perto de Wanaka, Nova Zelândia, que Johan Lolos compreendeu o impacto colossal do Instagram. Por essa altura, o belga já tinha alguns milhares de seguidores na conta @lebackpacker, criada no início de uma viagem à Austrália, no ano anterior, e estava a viver em Wanaka, onde trabalhava para a entidade de turismo local em troca de estadia.

No início de 2015, aquela “vista louca” sobre o lago encaixado entre as montanhas ainda “não era famosa de todo”, por isso Johan propôs convidarem “dez grandes nomes de todo o mundo para ajudarem a promover Wanaka no Instagram”. Chris Burkard, hoje com 3,7 milhões de seguidores, estava entre o leque de convidados: publicou uma fotografia daquela panorâmica e “o trilho explodiu”.

“Voltei à Nova Zelândia um ano depois de ter vivido em Wanaka e a população local, apesar de estar feliz pelas novas oportunidades de negócio, queixava-se muito de o seu pequeno paraíso secreto ter sido descoberto por tantas pessoas em todo o mundo.” O parque de estacionamento, onde antes não caberiam mais de dez de carros, estava a ser expandido para dar espaço a dezenas de veículos. Tiveram de ser instaladas casas de banho na montanha “porque as pessoas mijavam e cagavam em todo o lado”. “Foi um completo desastre e fez-me compreender a responsabilidade que tenho.”

Wanaka Johan Lolos
Wanaka Johan Lolos
Pirenéus Johan Lolos
Canadá Johan Lolos
Fotogaleria
Johan Lolos

Hoje em dia, Johan Lolos, de 34 anos, evita publicar fotografias novas de paisagens imaculadas ou, quando tem de as publicar por exigência de um cliente, recusa-se a divulgar a localização precisa (“Talvez diga a região, mas não os vou levar lá, quem quiser que pesquise e tente encontrar sozinho”). Quase meio milhão de seguidores depois, Johan decidiu que não queria mais fazer parte do jogo. “Todos os grandes fotógrafos do Instagram, especificamente na indústria de viagens e paisagens, estão a ir aos mesmos lugares fazer as mesmas fotos, daquelas que vão dar likes, e isso acabará por destruir o ambiente”, defende em conversa com a Fugas, à margem do Exodus Aveiro Fest 2021.

Da secretária à fama no Instagram

Foi no último ano do Mestrado em Relações Públicas, durante um estágio em Paris, que Johan Lolos percebeu que não queria passar o resto da vida preso a uma secretária, a conversar com os colegas a centímetros de distância por um chat. Aos 25 anos, partiu para a Austrália - “nunca tinha estado fora da Europa” - e decidiu criar uma conta de Instagram para partilhar as paisagens e aventuras da viagem.

Quando a @natgeotravel republicou uma fotografia dele, em Fevereiro de 2014, o número de seguidores disparou e começou a perceber que talvez existisse ali uma oportunidade de fazer da fotografia emprego a tempo inteiro. Depois de um ano à boleia pela Austrália, mudou-se para a Nova Zelândia. Depressa o Instagram se tornou o seu “mundo” e “única fonte de rendimento”. Começou a trabalhar com marcas e entidades de turismo um pouco por todo o planeta. “Às vezes, ficava só sete ou onze dias num país, a fotografar o que o cliente quisesse.” Num ano e meio, viajou para 23 países a coleccionar paisagens atrás de paisagens. Até não sentir qualquer prazer no que fazia. Burn out.

Foto
Cinco meses de viagem por algumas das maiores montanhas do continente deram origem ao livro "Picos da Europa"

Durante cinco meses, decidiu parar e dedicar-se a um projecto pessoal que daria origem ao primeiro livro de fotografia, Picos da Europa, dedicado a três das principais regiões montanhosas do continente: Norte, Balcãs e Alpes (é tão fã de livros de fotografia que criou a página @photobookjunkie só para partilhar as suas compras – e paixão - “com o mundo”). A fotografia de paisagem continuava a ser uma motivação (“Ainda amo paisagens e fico empolgado cada vez que estou nas montanhas, na natureza, só não fico entusiasmado em partilhá-lo no Instagram”). Mas cedo percebeu que queria que a viagem também fosse “sobre o ser humano, a ligação entre este e a natureza, e sobre as pessoas que conhecia ao longo do caminho”.

Na Birmânia, país onde não se vai “pelas paisagens” mas sim “pelas pessoas e pela cultura”, decidiu que “já não ia perseguir as loucas localizações famosas do Instagram”. Começou a fazer fotografia mais documental, retratos, vida selvagem. Temas que proporcionavam uma “experiência enriquecedora” e lhe permitiam focar-se “numa história”, em vez de “simplesmente tirar a fotografia perfeita para ter muitos ‘gostos'”. Uma semana antes de a pandemia fechar o mundo num primeiro confinamento, esteve no Haiti a documentar as missões humanitárias para a Médicos Sem Fronteiras. “Mudou a minha vida.”

A criptoarte é o futuro

Johan Lolos, de boné sobre a cabeça e voz segura e energética, tem pouco a esconder. Sim, “sempre surfou a oportunidade de ter muitos seguidores no Instagram”. Foi isso que o “ajudou a chegar aqui”. Mas lembra que “é muito difícil viver” da fotografia documental. Não conhece, aliás, ninguém que o consiga. Uns fazem trabalhos corporativos para pagar as contas, outros publicidade. Johan “tem de aceitar alguns trabalhos de ‘influencer'”, ainda que “odeie essa palavra”. “Neste momento, a minha maior fonte de rendimento são clientes que querem usar a minha influência nas redes sociais, porque tenho muitos seguidores”, reconhece. Mas recusa-se a definir-se como tal. É fotógrafo viajante e agora também artista.

Hoje em dia, quem o procurar no Instagram vai deparar-se com perfis meio abandonados, dois deles criados para tentar fintar o algoritmo, ora porque percebeu que as novas contas conseguiam ter mais “engagement”, ora porque a ideia de as pessoas ficarem “meio segundo” nas suas imagens “estava a deixá-lo louco” (em @lolosjohan queria obrigá-las a, pelo menos, terem de deslizar no “carrossel” para verem a fotografia completa e conhecerem a história da imagem). Fartou-se. “Literalmente, passo três minutos por dia no Instagram, enquanto gasto dez horas no Twitter.” Há três anos que perde seguidores (o máximo foram cerca de 460 mil). Quando quer mostrar o portefólio, envia um PDF com as fotografias “mais documentais” que “realmente o apaixonam”. Novidades? Partilha numa newsletter. “Acredito mesmo que qualquer artista ou fotógrafo só precisa de uma pequena comunidade de 100 pessoas que realmente ama o seu trabalho.”

Haiti Johan Lolos
Birmânia Johan Lolos
Birmânia Johan Lolos
Namíbia Johan Lolos
Fotogaleria
Johan Lolos

Há três meses, Johan decidiu “mudar de estratégia” e “reavaliar o valor” das suas imagens. Quem quiser comprar uma impressão, “tem de pagar o preço de uma obra de arte”. São séries limitadas, impressas em papel de qualidade, numeradas, assinadas e com certificado de autenticidade. Se o tamanho mais pequeno custava cerca de 60€, agora o mínimo são 500€. “Traz-me para uma categoria em que me posso considerar um artista porque, realmente, vendo obras de arte impressas.” No entanto, até neste novo sector em que quer trabalhar, das revistas e galerias, sente-se o espartilho dos números nas redes sociais. “Infelizmente, é a primeira coisa para onde vão olhar para julgar o teu trabalho.” Muitos seguidores? És bom no que fazes. Demasiados seguidores? És ‘Instagrammer' ou ‘influencer', não um verdadeiro fotógrafo. “É um equilíbrio tão grande onde tens de jogar.”

Talvez para fugir a isso, o que mais o tem entusiasmado nos últimos tempos é a criptoarte e as oportunidades criadas pelos NFT (sigla inglesa para “non-fungible token”, algo como uma peça digital única, numa descrição muito simplificada). “Ouvi falar pela primeira vez no início do ano e esperei onze meses para pôr algo à venda, porque queria ter a certeza de que percebia o mundo dos NFT e desta nova tecnologia, e de que era algo para mim.” No final de Novembro, vendeu a primeira obra, uma “Explosão de cores” na paisagem islandesa, por 28.725 dólares (cerca de 25 mil euros).

“É algo que pode mudar a vida dos artistas”, defende. “Há muitos investidores dispostos a comprar criptoarte e essas pessoas vão ser como mecenas para nós, porque estão dispostos a pagar o preço real pela arte e por apoiar o trabalho pelo qual somos realmente apaixonados.” A primeira série, sobre a Islândia, vai ser composta por cinco peças. A seguinte, quer dedicá-la a um homem que conheceu em Pushkar, na Índia, e se conseguir voltar a encontrá-lo e as autoridades locais o permitirem, doar-lhe o dinheiro. E, depois, continuar a viajar para contar “histórias que importam” e “partilhar a beleza do mundo” em paisagens etéreas, seja em livro, exposições ou NFT. “O objectivo é, eventualmente, deixar de ser o @lebackpacker e ser conhecido simplesmente por Johan Lolos.”

Sugerir correcção
Comentar